21:31 13 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Cheese, Wine and Bread

    EUA impõem tarifas recorde de US$ 7,5 bilhões sobre importações da União Europeia

    CC0
    Economia
    URL curta
    873
    Nos siga no

    No início deste mês, a Organização Mundial do Comércio (OMC) determinou que Washington poderia impor tarifas a produtos da União Europeia no valor de US$ 7,5 bilhões.

    As tarifas em questão foram introduzidas como medida punitiva por aquilo que a OMC determinou serem subsídios ilegais à empresa aeroespacial Airbus, que causaram "efeitos adversos" à empresa rival norte-americana Boeing.

    Nesta sexta-feira (18) os EUA cumpriram a determinação e impuseram tarifas a mercadorias da UE avaliadas em US$ 7,5 bilhões (R$ 30,9 bilhões) tendo como alvo os sectores aeronáutico e agrícola e abrangendo tais produtos como o queijo italiano e vinho francês, informa agência AFP.

    A União Europeia avisou várias vezes Washington de que aplicaria medidas equivalentes se os EUA avançassem com a imposição de tarifas.

    O gabinete do Representante de Comércio dos EUA anunciou que iria introduzir as referidas tarifas aos produtos europeus após a decisão da OMC, pondo fim a uma disputa comercial que começou em 2004.

    Os responsáveis da União Europeia, por outro lado, defenderam que a Boeing se beneficiou de subsídios similares. Contudo a decisão da OMC não limita as tarifas dos EUA ao setor aeronáutico, podendo abranger outros sectores.

    Na sequência da decisão da Organização Mundial do Comércio, EUA decidiram aumentar as taxas de importação de produtos da UE em 10% no sector aeronáutico e de 25 % no setor agrícola.

    Em 2005, a UE acusou a Boeing de ter recebido US$ 19,1 bilhões (R$ 78,8 bilhões) em subsídios ilegais de várias agências governamentais dos EUA entre 1989 e 2006.

    Mais:

    Cúpula do G7 defende 'mudança profunda' na OMC
    Coreia do Sul planeja apresentar queixa contra o Japão à OMC
    Tags:
    OMC, Airbus, Boeing, União Europeia, EUA, tarifas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar