07:23 12 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Cerimônia de inauguração da construção do gasoduto Nord Stream (foto de arquivo)

    NI revela como EUA acidentalmente impulsionaram setor energético da Rússia

    © AP Photo / Dmitry Lovetsky
    Economia
    URL curta
    9671
    Nos siga no

    Embora os EUA venham há muito pressionando os aliados europeus para deixarem de comprar gás russo, algumas das políticas americanas deram um impulso ao setor energético da Rússia, escreve a revista americana.

    De acordo com a National Interest, o fortalecimento da economia russa foi particularmente influenciado pelas sanções dos EUA contra a Venezuela e o Irã.

    Uma vez que o petróleo produzido nestes dois países é semelhante em vários parâmetros, os antigos parceiros de Caracas e Terão mudaram para o petróleo russo após a introdução de medidas restritivas.

    Outra "ajuda inadvertida" à Rússia foi a guerra comercial entre a China e os Estados Unidos, que permitiu que as empresas russas de energia se posicionassem no mercado chinês, segundo a revista.

    Setor em expansão

    Após Pequim ter imposto tarifas de retaliação aos produtores de gás liquefeito dos EUA, as empresas de energia chinesas começaram a comprar ações em projetos russos de GNL (gás natural liquefeito) no Ártico, destaca o artigo.

    "Embora a Europa continue sendo o principal consumidor de energia da Rússia, Moscou está avançando bastante no mercado chinês. Em 2016, a Rússia ultrapassou a Arábia Saudita como o maior fornecedor de petróleo da China', lê-se na matéria.

    No final deste ano, segundo a revista, quando o gasoduto russo Poder da Sibéria entrar em operação, a China será abastecida com 38 bilhões de metros cúbicos de combustível, passando Pequim a ser o segundo maior comprador de gás russo, depois de Berlim.

    Além disso, o artigo indica que, apesar da deterioração das relações entre a Rússia e a Europa relacionadas com o conflito interno da Ucrânia, Moscou mantém uma posição forte no continente.

    Soldagem no gasoduto russo Poder da Sibéria (Power of Siberia)
    © Sputnik / Aleksei Nikolsky
    Soldagem no gasoduto russo Poder da Sibéria (Power of Siberia)

    A publicação lembra que, nos últimos anos, as exportações de gás russo para a Europa aumentaram e, no final de 2018, a gigante energética russa Gazprom atingiu vendas recorde no continente.

    Estima-se que, após a conclusão dos projetos Nord Stream 2 (Corrente do Norte 2) e Turkish Stream (Corrente Turca) neste ano, Moscou irá vender um adicional de 86,5 bilhões de metros cúbicos deste recurso.

    Mais:

    Poder da Sibéria: gasoduto russo de 3.000 km para a China está 99% concluído
    Ancara revela quanto vai gastar no gasoduto TurkStream em parceria com a Rússia
    Pompeo: para 'conter' a Rússia, EUA devem impedir a construção do gasoduto Nord Stream 2
    Tags:
    Nord Stream 2, Poder da Sibéria, gasoduto, gás natural, setor energético
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar