01:21 23 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    6106
    Nos siga no

    O caça F-22 Raptor, desenvolvido e implantado antes do caça furtivo F-35, contém uma série de tecnologias ainda classificadas que Washington teme que possam vazar para seus inimigos se o avião chegar ao mercado.

    A Força Aérea dos EUA divulgou um relatório ao Congresso que analisa as vendas do caça de combate norte-americano F-22 Raptor que nunca foi oferecido para entregas ao exterior, segundo o portal The Drive, citando documentos obtidos sob o Ato de Liberdade de Informação.

    O programa do F-22 foi proibido de ser exportado pelo Congresso dos Estados Unidos em setembro de 2006 porque o caça tinha muitas tecnologias, incluindo a tecnologia furtiva, que nunca tinham sido exportadas.

    Embora os legisladores tenham decidido que essas tecnologias deveriam ser mantidas em segredo até mesmo de aliados, devido a medo de elas caírem nas mãos de inimigos, eles procuraram maneiras de tornar o F-22 disponível para venda.

    Vários relatórios foram feitos desde o final da década de 1990, quando o caça ainda estava em desenvolvimento, mas o documento mais recente, apresentado em março de 2010, tem permanecido classificado até agora.

    A Força Aérea dos Estados Unidos sugeriu no relatório construir uma versão de exportação do caça nomeada de Vendas Militares Estrangeiras (FMS, na sigla em inglês) F-22, de acordo com a mídia.

    F-22 Raptor, da Força Aérea dos EUA, e F/A-18 Hornet, da Força Aérea finlandesa, voam atrás de um Stratotanker americano durante treinamento na costa da Finlândia (foto do arquivo)
    F-22 Raptor, da Força Aérea dos EUA, e F/A-18 Hornet, da Força Aérea finlandesa, voam atrás de um Stratotanker americano durante treinamento na costa da Finlândia (foto do arquivo)

    O avião F-22 original incluía vários componentes usados no F-35, um caça feito especificamente para ser vendido e tinha um precedente para ser autorizado para compra "tal como é".

    No entanto, pelo menos três sistemas críticos eram exclusivos do F-22: dois foram apagados no relatório fortemente editado e o terceiro são as capacidades de empuxo vetorial 2D avançado e de velocidade supercruzeiro do Raptor. Esses sistemas seriam substituídos ou modificados para serem vendidos a outros países.

    Alguns sistemas do F-22 semelhantes aos instalados no F-35 teriam que ser substituídos. Por exemplo, o FMS F-22 teria o radar de escaneamento eletrônico de varredura ativa AN/APG-81 do Joint Strike Fighter em vez do AN/APG-77 de uso nacional.

    Entre outras coisas que precisariam ser alteradas estaria a aviônica do caça com os "arquivos de dados da missão", que deveriam ser ajustados para cada cliente, bem como componentes da tecnologia furtiva, revestimentos e armas.

    Os proprietários do FMS F-22 teriam controle total sobre seus caças, embora não pudessem produzir suas peças em seu país, como é o caso dos F-35s.

    Apesar de terem sido descritas maneiras para tornar o caça viável para venda, o Congresso norte-americano nunca agiu com base nas informações.

    O programa foi interrompido mais tarde porque os caças F-22 estavam focados no combate ar-ar e os inimigos potenciais dos EUA, a Rússia e China, não tinham avançado muito com seus próprios programas de caças, conforme o Pentágono.

    Ao mesmo tempo, o caça furtivo emergente de quinta geração F-35 ofereceu maior versatilidade a um preço mais baixo e a capacidade acelerada de vendê-lo para outras forças armadas.

    Mais:

    'Dissuasão nuclear é essencial para nossa segurança': EUA testam mísseis Trident II (FOTOS)
    Revelado motivo por que Austrália não informou França sobre cancelamento de acordo de submarinos
    Pentágono avisa Europa que Rússia poderá apresentar maiores desafios a curto prazo do que a China
    Nova aliança AUKUS pode tornar Austrália 'potencial alvo de guerra nuclear', diz mídia chinesa
    Tags:
    EUA, avião, caça, tecnologia furtiva, tecnologia stealth, F-35, F-22
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar