22:50 22 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    173611
    Nos siga no

    Estados Unidos admitem que erraram no ataque aéreo em agosto no Afeganistão e confessam que as dez pessoas mortas pela investida eram civis afegãos, incluindo crianças.

    Nesta sexta-feira (17), o chefe do Comando Central dos EUA (USCENTCOM, na sigla em inglês), general Frank McKenzie, admitiu que nenhum combatente do Estado Islâmico-Khorasan (EI-K), um ramo do Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países) no Afeganistão foi morto no ataque aéreo de 29 de agosto em Cabul. 

    O ataque matou dez pessoas, incluindo crianças.

    "Este ataque foi realizado com a convicção de que evitaria uma ameaça iminente às nossas forças e aos evacuados do aeroporto, mas foi um erro. Como comandante combatente, sou totalmente responsável por este ataque e seu trágico resultado", disse McKenzie citado pela CNBC.

    Ele acrescentou que agora acredita ser improvável que o veículo atingido ou aqueles que morreram fossem militantes do Estado Islâmico-Khorasan ou representassem uma ameaça direta às forças norte-americanas no aeroporto de Cabul. 

    O episódio aconteceu logo após ataques terroristas da organização que tinham como alvo multidões de civis, bem como soldados dos EUA e militantes do Talibã (grupo terrorista proibida na Rússia e em vários outros países) fora do Aeroporto Internacional Hamid Karzai. Os bombardeios mataram quase 200 pessoas e feriram milhares.

    Mais:

    Inteligência dos EUA admite maiores ameaças de terror no Iêmen, Síria, Iraque que no Afeganistão
    China exige que EUA respondam pela morte de civis em seu último ataque de drone no Afeganistão
    Al-Qaeda pode ameaçar os EUA a partir do Afeganistão em 1-2 anos, diz inteligência norte-americana
    Tags:
    Afeganistão, EUA, Talibã, guerra
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar