20:02 23 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    5819
    Nos siga no

    Os Estados Unidos aumentarão a presença militar na Austrália por implementação rotativa de aviação, manutenção de embarcações e ativação de treinamentos terrestres, conforme um comunicado conjunto.

    O comunicado conjunto da Austrália e EUA foi publicado nesta quinta-feira (16) após consultas em Washington entre ministros da Defesa e Relações Exteriores de ambos os países, que na quarta-feira (15) formaram a aliança militar AUKUS em conjunto com o Reino Unido.

    "Os secretários e ministros estão comprometidos com um desenvolvimento significativo da cooperação americano-australiana no âmbito de implementação de forças", diz o comunicado.

    Os países pretendem colocar "aviões dos EUA de todos os tipos" na Austrália, desenvolver a logística para embarcações de superfície e submarinos e realizar "exercícios mais abrangentes e integrados" de forças terrestres.

    Além disso, os ministérios da Defesa da Austrália e EUA planejam colaborar na esfera de satélites.

    Nesta quarta-feira (15), o presidente dos EUA, Joe Biden, o premiê do Reino Unido, Boris Johnson, e o primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison, anunciaram a formação de uma nova aliança de segurança para o Indo-Pacífico, a AUKUS.

    No âmbito da aliança será entregue uma frota de submarinos de propulsão nuclear para a Austrália. No entanto, foi destacado que a Austrália não pretende adquirir armas nucleares ou criar uma capacidade nuclear civil.

    Mais:

    Armamento moderno e dimensão do Exército russo representam séria ameaça para EUA e OTAN, diz NI
    VÍDEO mostra momento em que caça chinês intercepta avião militar estrangeiro
    Taiwan planeja gastar dinheiro extra em Defesa para renovar armas por 'ameaças pesadas' da China
    Gigantes tecnológicas lucram com guerras vendendo dados privados ao governo dos EUA, diz relatório
    Tags:
    EUA, Austrália, avião, militar, defesa, aliança, França, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar