07:32 16 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    101034
    Nos siga no

    EUA vão conduzir dois exercícios militares de grande escala. O primeiro é um exercício militar conjunto que envolve forças navais dos EUA, Reino Unido, Japão e Austrália, já o segundo é o Exercício Grande Escala 2021 (LSE 2021) realizado pela Marinha americana, alegadamente o maior exercício naval desde 1981.

    De acordo com James R. Holmes, da Escola de Guerra Naval dos EUA, o LSE serve como uma advertência aos adversários de Washington que o país pode enfrentar qualquer desafio, seja no mar Negro, no Mediterrâneo oriental ou no mar do Sul da China.

    Os EUA querem impressionar a Rússia e a China flexionando seus músculos em uma jogada mal calculada, escreve jornal estatal chinês Global Times, acrescentando que nesta sexta-feira (6) Pequim dará início a exercícios militares de cinco dias em uma vasta área no mar do Sul da China entre as ilhas Hainan e Xisha como resposta ao exercício militar conjunto no Pacífico ocidental.

    Porta-aviões chinês Liaoning do Exército de Libertação Popular (ELP) da China
    © AP Photo / Vincent Yu
    Porta-aviões chinês Liaoning do Exército de Libertação Popular (ELP) da China

    Nem a China nem a Rússia têm intenção de competir pelo controle dos mares com os EUA, mas ambas possuem a capacidade e determinação para negar a coerção dos EUA em áreas que dizem respeito a seus interesses fundamentais, aponta mídia.

    Com as atuais tecnologias modernas, as grandes potências têm capacidade suficiente para destruir todos os alvos a certas distâncias.

    A Marinha dos EUA construiu uma capacidade global que ajuda a manter a lealdade de seus aliados. Mas se os americanos se envolverem em uma verdadeira guerra com a China e Rússia, sua força naval não seria capaz de sobreviver, ressalta jornal.

    Washington está exibindo seu poder militar em várias partes do mundo, mas Pequim não será influenciada por isso.

    O mar do Sul da China é uma via internacional onde os países usufruem de liberdade de navegação, porém, nesta área existem ilhas e recifes que são parte dos interesses fundamentais da China. Pequim não vai tolerar por muito tempo que os EUA joguem uma carta geopolítica para mostrar sua hegemonia, concluiu o jornal.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    'Falhamos miseravelmente': EUA buscam nova estratégia militar após perder guerra simulada com China
    Índia afirma presença naval no mar do Sul da China em meio a oposição dos EUA à 'agressão' de Pequim
    Pyongyang rotula de 'provocação' plano do Reino Unido de implantar navios de guerra na Ásia-Pacífico
    Tags:
    exercícios conjuntos, manobras navais, EUA, China, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar