23:17 23 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    9462
    Nos siga no

    O grupo de ataque liderado pelo porta-aviões britânico HMS Queen Elizabeth não seguiu o exemplo dos EUA de se aproximar mais de 12 milhas náuticas das ilhas artificiais da China, disse a chancelaria chinesa.

    O porta-aviões HMS Queen Elizabeth do Reino Unido e seu grupo de ataque não navegaram perto das ilhas artificiais de Pequim quando passaram pelo mar do Sul da China, anunciou o Ministério das Relações Exteriores da China, citado na quarta-feira (4) pelo jornal The South China Morning Post.

    O HMS Queen Elizabeth e outras embarcações britânicas e norte-americanas estão na região para realizar exercícios de liberdade de navegação e manobras militares com outros países, nota a mídia.

    Dessa forma, os navios de guerra britânicos não desafiaram diretamente a linha territorial de 12 milhas náuticas em torno das ilhas reivindicadas pela China, como o fizeram os EUA, comentou a chancelaria chinesa.

    Segundo relatou no domingo (1º) o jornal The Guardian, fontes militares referiram não ter planos de encenar um confronto naval com a China no mar do Sul da China, depois que os militares chineses advertiram contra uma possível provocação. A chancelaria britânica não respondeu a um pedido de comentários.

    "A China espera que os navios da Marinha de outras nações cumpram a lei internacional quando navegarem pelo mar do Sul da China, respeitem os direitos e a soberania das nações costeiras, e evitem ações que prejudiquem a paz regional", disse. Uma fonte próxima ao Exército de Libertação Popular (ELP) da China expressou satisfação com "a atuação de baixo perfil do grupo liderado pelo porta-aviões britânico" na região.

    O Reino Unido está alinhado com os EUA, que têm realizado operações de "liberdade de navegação" e exercícios militares na região da Ásia-Pacífico. O grupo liderado pelo HMS Queen Elizabeth zarpou do Reino Unido há dois meses, e realizará exercícios militares com os EUA, Austrália, França e Japão no mar das Filipinas até o final de 2021.

    Quanto aos exercícios de liberdade de navegação na região, a China se opõe "à presença naval com objetivos provocativos", de acordo com Wu Qian, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China.

    "Os militares chineses usarão todos os meios necessários para lidar com [ações provocativas] de forma resoluta e eficaz", apontou ele no domingo (1º) ao The Guardian.

    Mais:

    Pyongyang rotula de 'provocação' plano do Reino Unido de implantar navios de guerra na Ásia-Pacífico
    Pequim faz exercícios militares no mar do Sul da China em meio à chegada de porta-aviões britânico
    Grupo de porta-aviões britânico entra no oceano Índico para exercício naval com Índia (FOTOS)
    Tags:
    Reino Unido, EUA, China, South China Morning Post, Ministério das Relações Exteriores, Ministério das Relações Exteriores da China, Mar do Sul da China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar