22:51 25 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    4720
    Nos siga no

    Pentágono está considerando a implantação de uma força-tarefa naval permanente na região do Pacífico como uma contraposição ao crescente poderio militar da China, revelaram ao jornal Politico duas fontes familiarizadas com discussões internas.

    Os interlocutores informaram na condição de anonimato que os planos pré-decisórios implicariam também a criação de uma operação militar designada para o Pacífico para permitir ao secretário de Defesa dos EUA alocar recursos adicionais para o "problema da China".

    Segundo avança o artigo, essas inciativas adicionariam força às duras declarações do presidente dos EUA Joe Biden em relação ao gigante asiático e enviariam um sinal de que a nova administração americana mantém uma posição muito firme relativamente ao reforço militar de Pequim e seu comportamento "agressivo" na região do Pacífico.

    "Estamos analisando uma série de propostas no Indo-Pacífico e por todo o Departamento para melhor sincronizar e coordenar nossas atividades. No entanto, como disse o secretário, agora é a hora de começar a trabalhar, ainda há muitos detalhes e especificidades a serem finalizados", disse uma fonte.

    As fontes familiarizadas com o assunto detalham que a força-tarefa seria formada segundo o modelo de uma estrutura da OTAN lançada na Europa durante a época da Guerra Fria – as Forças Navais Permanentes do Atlântico.

    Aviões F-18 estacionados no porta-aviões USS Nimitz da Marinha dos EUA durante os exercícios trilaterais Malabar 2017 entre a Índia, Japão e EUA na Baía de Bengala, 17 de julho de 2017
    © AP Photo / Rishi Lekhi
    Aviões F-18 estacionados no porta-aviões USS Nimitz da Marinha dos EUA

    Informa-se também que esta inciativa foi o resultado do trabalho da força-tarefa do Pentágono estabelecida para abordar questões relacionadas à China.

    A força-tarefa, que conta com 15 civis e militares do departamento, é chefiada pelo assistente especial do secretário de Defesa, dr. Ely Ratner.

    Atualmente não se sabe se apenas navios de guerra dos EUA serão incluídos na força naval ou se outros países também farão parte dela.

    Mais:

    Biden: EUA devem defender regras marítimas de liberdade de navegação desafiadas por China e Rússia
    Pequim expulsa destróier dos EUA que navegava perto das ilhas Xisha, no mar do Sul da China
    Marinha dos EUA mobiliza 1/3 de frota submarina do Pacífico em grande exercício naval (FOTOS)
    Tags:
    EUA, Ásia-Pacífico, força naval, China, navios de guerra
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar