13:14 27 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    3910
    Nos siga no

    Durante 2020, os EUA enviaram sucessivamente para o mar do Sul da China vários portadores de armas estratégicas, incluindo grupos de ataque de porta-aviões.

    A intensidade da presença militar dos EUA e condução de contínuas manobras, que pretendiam dissuadir a China de seus avanços no Pacífico, não tinham precedentes, de acordo com novo relatório de especialistas citado pelo jornal Global Times.

    A implantação de forças norte-americanas foi extraordinária em termos de escala, número e duração das atividades em comparação com anos anteriores, aponta Iniciativa de Sondagem Estratégica do Mar do Sul da China (SCSPI, na sigla em inglês), um think tank associado à Universidade de Pequim.

    SCSPI nota que, ao longo de 2020, Washington enviou para o mar do Sul da China grupos de ataque de porta-aviões, grupos anfíbios de prontidão (ARG, na sigla em inglês), submarinos nucleares e bombardeiros estratégicos B-52H e B-1B.

    Hu Bo, diretor do SCSPI destacou que em julho de 2020, em um período de apenas meio mês, os EUA realizaram exercícios conjuntos de dois grupos de porta-aviões em duas ocasiões distintas, algo que é visto pelos analistas como um evento raro.

    O modo de operar destes grupos de ataque de porta-aviões foi "muito orientado para o combate" disse Hu, que justificou sua afirmação com vários argumentos táticos.

    Além disso, o Pentágono enviou para perto da costa chinesa, em quase mil ocasiões, vários tipos de aeronaves de reconhecimento, incluindo aviões antissubmarino de patrulhamento marítimo P-8A Poseidon e aviões de vigilância e reconhecimento eletrônico EP-3E.

    Porta-aviões USS Ronald Reagan (CVN 76, à frente) e o USS Nimitz (CVN 68, atrás) dos Grupos de Porta-Aviões navegam juntos em formação, no mar do Sul da China, 6 de julho de 2020
    © AP Photo / Jason Tarleton, Sub oficial de 3ª classe / Marinha dos EUA
    Porta-aviões dos EUA no mar do Sul da China

    Também, houve nove ações militares qualificadas pelo especialista chinês de "invasão de ilhas ou recifes" no mar do Sul da China e várias passagens pelo estreito de Taiwan em nome da "liberdade de navegação", o número mais elevado nos últimos anos em termos de frequência e intensidade.

    Diretor do SCSPI prevê que, com a chegada da nova administração de Joe Biden ao poder nos EUA, Washington não vai mudar o curso da concorrência estratégica contra a China política ou militarmente.

    Isso significa que a tendência para o aumento das tensões entre os dois países em regiões em torno na China deve manter-se e que os navios militares dos EUA continuarão suas incursões.

    Mais:

    Militares dos EUA planejam criar rede para lançamento de mísseis no Pacífico Ocidental
    Presidente Duterte ameaça anular acordo militar se EUA implantarem armas nucleares nas Filipinas
    Estados Unidos devem conter China sem 'se meterem' em Guerra Fria, afirma alto funcionário
    Tags:
    voo de reconhecimento, tensão regional, tensão militar, Mar do Sul da China, Marinha dos EUA, porta-aviões
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar