18:08 14 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    153
    Nos siga no

    Nova Deli planeja comprar 30 drones armados dos EUA para aumentar suas defesas marítimas e terrestres, uma vez que as tensões persistem com os vizinhos China e Paquistão.

    A Índia vai aprovar em abril a compra de 30 drones MQ-9B Predator por US$ 3 bilhões (aproximadamente R$ 17,41 bilhões) fabricados pela empresa norte-americana General Atomics, afirmaram autoridades de Nova Deli à agência Bloomberg. O acordo aumentaria as capacidades militares da Índia, uma vez que os drones que o país possui agora só podem ser usados ​​para vigilância e reconhecimento.

    "As relações entre os EUA e a Índia atualmente são o resultado de décadas de esforços dedicados de ambos os países […]. O fato de a cooperação em defesa permanecer no topo da lista de prioridades para o relacionamento bilateral é um sinal de nossos objetivos de segurança mútua", disse Vivek Lall, executivo da General Atomics.

    O drone MQ-9B pode voar por cerca de 48 horas e carregar uma carga útil de cerca de 1.700 kg. Dessa forma, a Marinha da Índia terá a capacidade de monitorar melhor os navios de guerra chineses no sul do oceano Índico e equipar o exército para atacar alvos ao longo da disputada fronteira com o Paquistão, no Himalaia.

    Militares norte-americanos preparam um drone MQ-9 Reaper para exercícios de voo
    Militares norte-americanos preparam um drone MQ-9 Reaper para exercícios de voo

    No ano passado, a Índia alugou dois MQ-9 desarmados enquanto as tensões na fronteira com a China ameaçavam se transformar em um conflito aberto. Mas, no fim, os drones acabaram não sendo implantados.

    Modernização militar

    O governo do primeiro-ministro Narendra Modi está passando por uma modernização militar de dez anos e pretende investir US$ 250 bilhões (R$ 1,4 bilhão) na iniciativa.

    Em meados de fevereiro, o Ministério da Defesa anunciou que a substituição da rede de rádios de combate (CNR, na sigla em inglês) por rádios definidos por software de última geração, que serão fabricados no país.

    Além disso, a Índia está emergindo como um parceiro estratégico de defesa para os EUA, especialmente no combate à influência chinesa no oceano Índico e em algumas áreas do Sudeste Asiático. Em outubro, EUA e Índia assinaram um pacto para compartilhar dados sensíveis de satélite e mapas.

    O secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, deve visitar a Índia este mês, enquanto o presidente norte-americano, o democrata Joe Biden, logo se juntará a seus colegas da Índia, Japão e Austrália na primeira reunião dos principais líderes do grupo Quad, também conhecido como a versão indo-pacífica da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) e visto como resultado do esforço conjunto para conter a China.

    Os líderes se reunirão virtualmente em 12 de março, de acordo com um comunicado do Ministério das Relações Exteriores da Índia. Durante o encontro serão discutidas questões como cadeias de abastecimento, segurança marítima e mudanças climáticas.

    Mais:

    'Lutaremos até o último suspiro': por que os protestos de fazendeiros na Índia são tão resilientes?
    Índia testa com sucesso tecnologia para desenvolver mísseis de longo alcance (FOTO)
    Índia aponta Irã como responsável pelo ataque perto da Embaixada de Israel em Nova Deli
    Um recado à China: Biden se reunirá com líderes de Japão, Índia e Austrália
    Tags:
    Indo-Pacífico, Exército, drones, China, EUA, Paquistão, Índia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar