20:13 06 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    558
    Nos siga no

    General Jack Keane, ex-vice-chefe do Estado-Maior do Exército norte-americano, afirmou em entrevista ao canal Fox News que os EUA têm "falhas profundas" em seu arsenal nuclear.

    De acordo com Keane, Rússia está na fase de conclusão do seu programa de anos de modernização de armas nucleares, enquanto os EUA têm algumas armas "em estado terrível".

    "O arsenal nuclear é um fator de dissuasão e precisamos modernizá-lo. Caso contrário, os nossos potenciais adversários terão um trunfo, podendo tirar proveito das fraquezas das nossas armas nucleares", declarou general americano.

    Além disso, segundo o general, os EUA estão ficando trás de Rússia e China em se tratando de meios de guerra convencionais. Em particular, o Exército dos EUA precisa aumentar o número de mísseis ofensivos antinavio, bem como modernizar seu armamento padrão.

    Um míssil nuclear ICBM Titan II desativado é visto em um silo no Missile Museum Titan (imagem referencial)
    © AFP 2021 / BRENDAN SMIALOWSKI
    Um míssil nuclear ICBM Titan II desativado é visto em um silo no Missile Museum Titan (imagem referencial)

    Keane acrescenta que, se isso não for feito, os EUA arriscam ficar em posição de perdedores, o que poderia transformar um conflito convencional em um conflito nuclear.

    "Pentágono precisa adaptar o mais rápido possível os seus meios de guerra às novas circunstâncias", concluiu.

    Na semana passada, Charles A. Richard, chefe do Comando Estratégico dos EUA (STRATCOM), afirmou haver a possibilidade de uma guerra nuclear com a Rússia ou a China.

    Mais:

    Pentágono deveria abandonar sua 'retrógrada' estratégia de defesa, opina analista da Forbes
    Irã revela novas instalações para produção de mísseis portáteis de última geração
    China envia mensagem ao mundo com teste de interceptação 'defensiva', diz mídia
    Tags:
    força militar, EUA, Rússia, China, míssil nuclear, arsenal nuclear
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar