07:12 08 Março 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    116515
    Nos siga no

    O portal Military Watch publicou o ranking das cinco melhores forças aéreas da América Latina, descrevendo as frotas do Brasil, Venezuela, Cuba, Chile e Peru.

    Chile tem mantido uma frota relativamente eficiente considerando o tamanho de sua pequena economia. A Venezuela sob a administração de Hugo Chávez usou seus recursos de petróleo para adquirir os únicos aviões de combate pesados na região. Cuba teve a frota de combate mais capaz da América Latina na época da Guerra Fria.

    Venezuela

    A Venezuela possui a frota de aeronaves de combate com mais capacidade da América Latina, baseada em 23 caças pesados Su-30MK2 comprados da Rússia. Esses aviões possuem o maior alcance e a maior carga útil, os conjuntos de sensores mais poderosos e o melhor desempenho de voo. São equipados com mísseis guiados ar-ar de longo alcance R-77, mísseis de longo alcance R-27ER e mísseis de cruzeiro Kh-31, destacou o portal.

    Caça Su-30MKI
    © Sputnik / Vyacheslav Afonin
    Caça Su-30MKI

    Além disso, a Força Aérea venezuelana tem dois pequenos esquadrões de caças F-16A Fighting Falcon.

    O país tem a rede terrestre de defesa antiaérea mais potente na região, baseada nos sistemas de defesa antiaérea de médio alcance Buk-M2 e S-300VM. Este sistema tem alcance de 250 km e pode atingir alvos com velocidades de até Mach 15.

    Chile

    Chile possui uma Força Aérea com altos padrões de treinamento, comparando com outros países da região. A base da frota de aeronaves é composta pelos caças F-16A, com 36 caças F-16A/B em serviço. O novo caça F-16C Block 50 é a elite da frota, que tem dez em serviço.

    Caça F-16 da Força Aérea do Chile
    © AP Photo / Fernando Llano
    Caça F-16 da Força Aérea do Chile

    O que é notável sobre a frota chilena é que o país é um dos três da região que tem mísseis de longo alcance ar-ar e o único país que integra esses mísseis em aviões que não são russos.

    O míssil de longo alcance guiado por radar AIM-120C tem características semelhantes às dos mísseis russos R-77, usados pela Venezuela e Peru, o que torna os caças F-16 chilenos mais capazes que quaisquer aviões de fabricação ocidental usados da região.

    Peru

    Peru é um dos dois países da América do Sul, junto com a Venezuela, cuja frota é composta inteiramente de aeronaves de quarta geração. A elite da frota são 19 caças MiG-29 de médio alcance. Os aviões são equipados com aviônica moderna e mísseis ar-ar R-77 e R-27, que os tornam altamente eficazes em defesa aérea.

    Além disso, o país tem um esquadrão de 12 caças leves Mirage 2000, que não são equipados com mísseis ar-ar modernos, e 18 jatos de ataque ao solo russos Su-25.

    Aviões de assalto Mirage 2000
    © REUTERS / Philippe Wojazer
    Aviões de assalto Mirage 2000

    Cuba

    Considerando o número total de aeronaves, Cuba ainda possui a maior frota de caças da América Latina. Atualmente, a frota tem falta de aviões de geração superior à terceira e baixa taxa de prontidão de combate. Além disso, o país perdeu o apoio da União Soviética depois de sua dissolução em 1991, o que significa que já não pode fornecer manutenção técnica de toda a frota e as entregas dos caças modernos foram interrompidas.

    Caças MiG-29 da esquadrilha acrobática Strizhi realizam manobras durante concurso militar
    © Sputnik / Maksim Blinov
    Caças MiG-29 da esquadrilha acrobática Strizhi realizam manobras durante concurso militar

    No entanto, Cuba é o único país da região que possui experiência significativa de combates ar-ar, inclusive com uso de mísseis ar-ar fora do alcance visual.

    A elite da frota cubana são sete caças MiG-29, o potencial principal são 60 caças modernizados MiG-23 de terceira geração. Além disso, o país tem cerca de 180 caças modernizados MiG-21, embora a maior parte deles esteja estocada.

    Brasil

    A frota aérea do Brasil consiste de 46 caças em serviço em total. A frota toda é composta de caças leves de terceira geração F-5E Tiger II. Embora tenham sido modernizados, lhes faltam quaisquer capacidades ar-ar fora do alcance visual.

    Os caças brasileiros poderiam enfrentar sérias desvantagens até contra os caças MiG-23 de Cuba ou F-16A da Venezuela, já não falando dos caças F-16C do Chile e dos MiG-29 do Peru, que são mais avançados.

    Avião F-5E Tiger II (imagem de arquivo)
    Avião F-5E Tiger II (imagem de arquivo)

    A situação é agravada por falta de sistemas terrestres de defesa antiaérea, o que torna talvez o espaço aéreo do país no mais fácil para penetração de aviões estrangeiros.

    Mais:

    Defesa russa revela planos de rearmamento de sua defesa antiaérea em 2021
    Venda de caças F-35 aos Emirados Árabes pode estar em risco com Biden
    Novo míssil balístico da China aumentaria 'risco e custo' para EUA iniciarem conflito com Pequim
    Drone 'simulador de caças inimigos de 5ª geração' dos EUA sofre acidente durante teste de voo
    'Estamos preparados': caças de Taiwan realizam exercícios após última incursão da China (VÍDEO)
    Tags:
    defesa antiaérea, caças, Cuba, Venezuela, Brasil, Chile, Força Aérea, Defesa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar