11:54 30 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    2390
    Nos siga no

    Único tanque de terceira geração do mundo, o T-14 Armata mostrou suas avançadas capacidades ao passar em teste de autopilotagem.

    Enquanto a robotização toma mais conta da direção e gerenciamento de plataformas de defesa, a Rússia tem obtido sucesso no desenvolvimento de autopilotagem para suas novas plataformas terrestre e aérea, mais precisamente para o tanque Armata e o caça Su-57.

    De acordo com o grupo Uralvagonzavod, fabricante do Armata, o tanque foi testado em piloto automático.

    "Os especialistas da corporação estão executando trabalhos para a criação de veículos de combate robotizados de ponta. No andamento dos trabalhos foi testado em piloto automático, inclusive, o tanque T-14 Armata", publicou a fabricante.

    Projetado para destruir o inimigo à distância, o Armata apoia o avanço da infantaria mecanizada, destrói instalações fortificadas e pode abater o inimigo em esconderijos ou em campo aberto.

    Caça Su-57

    Por sua vez, o novíssimo caça russo de quinta geração Su-57 tem passado por experiência semelhante.

    "Se não contar os detalhes, posso dizer que estamos, de fato, desenvolvendo opções de direção automática em muitos complexos, e obviamente, no Su-57 este trabalho também está sendo executado", afirmou ao canal de TV Zvezda Yuri Slyusar, diretor-geral da OAK, responsável pelo desenvolvimento do caça.

    Enquanto isso, a aeronave já realizou mais de quatro mil voos, enquanto a fabricante almeja a produção em série para atender às necessidades da Força Aeroespacial da Rússia.

    Ainda no ano passado, a força havia assinado um contrato para a aquisição de 76 aeronaves do modelo.

    Contudo, o caça ainda está sendo submetido a testes, especialmente no funcionamento de seus sistemas.

    Bombardeiro com mais mísseis

    Outra conquista recente dos engenheiros russos foi a profunda modernização do bombardeiro estratégico Tu-95MSM.

    Anteriormente, o bombardeiro era capaz de carregar até quatro mísseis de cruzeiro, hoje tal número subiu para oito, segundo disse Slyusar.

    "Surgiu a oportunidade de levar não quatro, mas oito mísseis, ou seja, dobrar a carga de munição e prolongar a vida do avião por um significativo período", afirmou.

    A modernização do bombardeiro, que inclui um novo localizador, tornou o Tu-95MSM "uma arma muito formidável".

    Mais:

    Marinha dos EUA inicia desenvolvimento de novo caça-bombardeiro de 6ª geração
    Novo canhão da OTAN conseguiria perfurar tanque russo mais avançado?
    Publicadas primeiras FOTOS da produção em série do caça Su-57
    Tags:
    Exército da Rússia, caça, tanque, Su-57, T-14 Armata, tecnologia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar