03:44 04 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    3542
    Nos siga no

    Uma versão não tripulada do T-14 Armata, o tanque mais avançado à disposição das Forças Armadas da Rússia, foi testada em modo autônomo.

    Fonte do complexo militar-industrial russo afirmou à Sputnik que o T-14, considerado o único tanque de terceira geração do mundo, foi recentemente submetido a testes preliminares para aferir sua capacidade para ser usado sem tripulação.

    Segundo a mesma fonte, o T-14, montado sobre a plataforma Armata, passou com sucesso os testes em modo não tripulado.

    Em 2016, Aleksandr Shevchenko, antigo chefe da diretoria de blindados do Ministério da Defesa, afirmou à Sputnik que uma versão robótica não tripulada do T-14 Armata estaria operacional em 2018, enfatizando que a singularidade dos novos veículos residia em sua arquitetura digital aberta.

    Tanque russo de terceira geração T-14 Armata
    © Sputnik / Vladimir Astapkovich
    Tanque russo de terceira geração T-14 Armata

    Por sua vez, em 2017 Oleg Sienko, diretor-geral da Uralvagonzavod, fabricante do tanque, afirmou à Sputnik que, sendo possível que as guerras futuras aconteçam sem soldados, no T-14 tinha sido prevista a possibilidade de sua robotização.

    Em 2018, o Ministério da Defesa russo assinou um contrato de compra de 132 veículos de combate T-14 e T-15 sobre a plataforma Armata com a empresa Uralvagonzavod, estando as entregas programadas até final de 2021.

    O T-14 é o único tanque do mundo de terceira geração, estando projetado para combate direto com o inimigo, apoio à ofensiva de unidades de infantaria motorizada e destruição de alvos inimigos em abrigos e em terreno aberto.

    Mais:

    Rússia ocupa 2º e 3º lugares em ranking de melhores tanques do mundo
    National Interest chama tanque russo T-95 de 'pesadelo' para OTAN
    VÍDEO mostra novíssimos tanques da Rússia sendo colocados em trem
    Tags:
    Rússia, testes, veículo autônomo, T-14 Armata
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar