08:50 20 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    647
    Nos siga no

    O Pentágono atribuiu à empresa norte-americana um contrato para produzir um total de 790 mísseis ar-terra de grande alcance.

    A empreiteira Lockheed Martin ganhou um contrato de mais de US$ 818 milhões (R$ 4,29 bilhões) da Força Aérea dos EUA para produzir mais 790 mísseis ar-terra JASSM (Joint Air-to-Surface Standoff Missiles), disse o Departamento de Defesa em comunicado de imprensa.

    "A Lockheed Martin Corporation de Orlando, Flórida, ganhou um contrato de US$ 818,2 milhões [...] para a produção dos lotes 17 e 18 do míssil JASSM", divulgou o comunicado na quarta-feira (1º).

    O contrato prevê a fabricação de 360 mísseis ar-terra de grande alcance (JASSM-ER, Extended Range) do lote 17; 40 mísseis ar-terra de grande alcance para exportação (JASSM-ER Foreign Military Sales) do lote 17; e 390 mísseis JASSM-ER do lote 18, informou o Departamento de Defesa.

    A produção será realizada em Orlando, estado da Flórida, EUA, durante os próximos quatro anos e meio, e se espera que seja concluída até 31 de outubro de 2024, informou o comunicado.

    Em fevereiro, a unidade de negócios Sikorsky da Lockheed Martin disse que estava construindo seis helicópteros presidenciais VH-92A para a Marinha dos EUA, com data de entrega marcada para 2022.

    Em janeiro, a Lockheed Martin anunciou que havia recebido um contrato de um ano no valor de quase US$ 2 bilhões (R$ 10,5 bilhões) para prestar serviços de manutenção e treinamento de pilotos a cerca de 500 jatos já entregues, e preparar a infraestrutura para uma eventual implantação de 3.000 aeronaves.

    Mais:

    Maior destróier do mundo da Marinha dos EUA terá em breve armas funcionais
    Gigantes da indústria competem para desenvolver novíssima aeronave militar dos EUA
    Na mira dos EUA: saiba como Vietnã sobreviveu ao maior bombardeamento da história
    Tags:
    Departamento de Defesa dos EUA, Flórida, Orlando, EUA, Força Aérea, Força Aérea dos EUA, Lockheed Martin
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar