17:56 05 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    61321
    Nos siga no

    Os EUA investem grandes quantias em defesa, e é por isso que o portal The Drive resolveu divulgar o valor gasto pelas forças norte-americanas e quanto se espera gastar no ano fiscal de 2021 para lançar munições.

    O The Drive ressalta que os valores por unidade podem variar consideravelmente dependendo de diversos fatores, como a quantidade adquirida.

    A arma mais cara da lista é o míssil antirradar de longo alcance AGM-88G AARGM-ER, cujo valor está estimado em US$ 6,1 milhões por unidade (R$ 26,6 milhões).

    Já o novo míssil antinavio de longo alcance, AGM-158C LRASM, custa quase US$ 4 milhões (R$ 17,4 milhões), enquanto o valor de um AGM-114 Hellfire varia entre os US$ 45.000 (R$ 196.000) para a Marinha e US$ 213.000 (R$ 930.000) para o Exército.

    Com isso, os valores individuais de diversas munições devem ser considerados algo muito importante, já que em 2019, as aeronaves norte-americanas empregaram 7.423 munições de diferentes tipos no Afeganistão e outras 4.729 no Iraque e na Síria, conforme informações oficiais.

    Em 2020, os EUA já gastaram 415 munições e 68 armas nas mesmas áreas que citamos logo acima.

    Modelo de míssil ar-terra AGM-114 Hellfire (chamas de inferno)
    © CC BY-SA 3.0 / Stahlkocher
    Modelo de míssil ar-terra AGM-114 Hellfire (chamas de inferno)

    Os valores mencionados são referentes às armas individuais e não levam em consideração gastos futuros, como apoio e modificações.

    Apesar dos valores excessivos, há solicitações de fundos para que muitas dessas armas e suas modificações sejam mantidas. Além disso, a Marinha espera adquirir um derivado motorizado do AGM-154, no ano fiscal de 2022.

    Mais:

    General do Irã: ataques com mísseis não visavam matar, mas danificar arsenal dos EUA
    FOTOS de satélite exibem danos na base dos EUA no Iraque após ataques de mísseis iranianos
    Irã afirma que mísseis não tinham objetivo de matar soldados dos EUA
    Tags:
    munições, Força Aérea, custos, mísseis, EUA, Pentágono
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar