17:04 28 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    2216
    Nos siga no

    A mídia indiana e estrangeira informou que o primeiro submarino nuclear da Índia Arihant entrou ao serviço. Este modelo é capaz de levar a bordo mísseis balísticos de médio alcance com ogivas nucleares.

    Com a entrega do submarino Arihant à Marinha indiana as Forças Armadas do país passaram a ter vetores de baseamento terrestre, marítimo e aéreo.

    Vasily Kashin, especialista em questões militares, revela à Spútnik China mais detalhes sobre o assunto.

    Na opinião dele, "a declaração do primeiro-ministro indiano Narendra Modi sobre a criação da tríade nuclear completa não representa grandes mudanças no equilíbrio de forças na região em uma perspectiva de curto prazo, mas a longo prazo as consequências poderão ser muito grandes, abrangendo todos os países que têm interesses consideráveis no oceano Índico".

    Kashin aponta que o Arihant é apenas o primeiro dos quatro submarinos nucleares indianos previstos.

    "Não se sabe se nestas condições a Índia poderá realizar patrulhamento permanente. As Marinhas da França e do Reino Unido possuem esquadrilhas de quatro submarinos para patrulhamento permanente e dissuasão nuclear, mas sua experiência no uso dos submarinos é muito superior à da Índia", explica Kashin.

    Submarinos nucleares requerem uma infraestrutura de alto custo, necessária para manutenção e conservação de componentes atômicos complexos, mísseis balísticos e ogivas nucleares.

    "Abrigos para submarinos nucleares e sua proteção será uma das principais tarefas para a Índia", aponta o especialista.

    O problema é que os países da OTAN – EUA, Reino Unido e França – possuem em conjunto supremacia absoluta no mar e seus submarinos são invulneráveis para qualquer inimigo, destaca Kashin.

    "A Índia precisa levar em consideração a ameaça que a Marinha do Paquistão representa para os submarinos nucleares indianos", ressalta.

    Anteriormente o Paquistão fechou um contrato para adquirir oito submarinos diesel-elétricos chineses de uma nova classe. A ameaça proveniente da China poderá ser ainda maior, já que os chineses superam a Índia em termos de números e de nível da sua frota.

    Mesmo com os dois submarinos nucleares modernos do projeto 971, recebidos da Rússia em regime de leasing, a Índia terá bastante dificuldade em proteger seus submarinos.

    É possível que no futuro previsível o Paquistão possa criar um análogo mais barato das forças navais estratégicas nucleares indianas equipando, por exemplo, o míssil antinavio com ogiva nuclear usado pelos submarinos diesel-elétricos, ou desenvolver a cooperação com a Coreia do Norte, importando sua tecnologia bem-sucedida de construção de submarinos diesel-elétricos equipados com mísseis balísticos de médio alcance a combustível sólido.

    Mais:

    Índia pede 'luz verde' à China para aderir ao Grupo de Fornecedores Nucleares
    Premiê do Sri Lanka: guerra com Paquistão não é opção para Índia
    Tags:
    consequências, patrulhamento, frota, diesel, submarino nuclear, OTAN, Marinha, Reino Unido, França, EUA, Oceano Índico, China, Rússia, Paquistão, Índia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar