Índia implanta mísseis na fronteira com a China, agravando as tensões

© Foto / Gurinder Osan, FileMísseis supersônicos BrahMos
Mísseis supersônicos BrahMos - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A Índia anunciou que vai equipar as suas tropas ao longo da fronteira chinesa com mísseis BrahMos; o Ministério da Defesa da China apelou a manter a calma.

Su-30MKI da Força Aérea da Índia. - Sputnik Brasil
Caça indiano pousa a apenas 100 quilômetros da China
A disputa territorial de longo prazo entre Pequim e Nova Deli abrange uma extensa zona na fronteira do Tibete. A China reclama 56,3 mil km2 que estão sob o controlo da Índia, enquanto a última afirma que a China ocupa 23,5 km2 do seu território.

Para reafirmar as suas pretensões, a Índia planeja instalar na região mísseis de cruzeiro avançados BrahMos. Estes mísseis foram adoptados pelas Forças Armadas da Índia ainda em 2007 e até o momento permanecem a arma indiana mais flexível, podendo ser lançados a partir de veículos, navios de guerra, submarinos ou aviões.

Em resposta, a China apelou aos seus vizinhos para promover "a estabilidade".

"Esperamos que a parte indiana possa fazer mais pela paz e estabilidade na região fronteiriça", disse o porta-voz do Ministério da Defesa da China, Wu Qian, segundo a publicação indiana.

Soldados da Força de Segurança de Fronteira Indiana (BSF) - Sputnik Brasil
Escalada de tensões: China é acusada de invadir território da Índia
O ministério chinês destacou também que, para assegurar paz e estabilidade ao longo da fronteira sino-indiana, é importante atingir um consenso.

A opinião foi ecoada pelo jornal PLA Daily (Diário do Exército de Libertação Popular):

"As notícias atraíram muita atenção. O passo da Índia de instalar mísseis na fronteira nacional já excedeu as necessidades de defesa e representa um perigo sério para o Tibete e Yunnan [província chinesa]".

"A instalação de mísseis BrahMos levará, com certeza, a uma maior competição e antagonismo nas relações sino-indianas e terá um impacto negativo sobre a estabilidade na região".

O destróier USS Curtis Wilbur, da Marinha dos EUA, no porto de Busan (Coreia do Sul) em 2010 - Sputnik Brasil
Índia nem sequer discute patrulhamento conjunto com EUA no Mar do Sul da China
A Índia está negociando um acordo com os EUA visando comprar canhões M777A2 para implantar também ao longo da fronteira. Entretanto, o contrato parece ser travado por causa das flutuações de preço.

Nas últimas semanas a China e a Índia têm reforçado as suas forças armadas ao longo da fronteira. No mês passado, a Índia deslocou para a região de Ladakh cerca de 100 tanques. Em resposta, Pequim avisou sobre as possíveis consequências econômicas desse passo para o país.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала