10:39 16 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    112110
    Nos siga no

    Estudo feito pela Fundação Getulio Vargas (FGV) a partir de dados do Fundo Monetário Internacional (FMI) aponta que a economia brasileira terá o pior desempenho econômico entre as dez maiores economias mundiais.

    Isso considerando o critério da paridade de poder de compra (PPC), que reflete as diferenças de custo de vida entre os países. Em 2021, segundo o FMI, as sete maiores economias do planeta terão desempenho superior ao brasileiro, segundo publicou a Folha.

    ​A Sputnik Brasil conversou com Claudio Considera, economista, pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV) e coautor do estudo. Ele disse que o fato que levou o Brasil a essa situação foi dez anos de uma política errada, executada pelos governos anteriores, junto com o que ocorreu recentemente com a pandemia do novo coronavírus, que impactou todas as economias do mundo e em particular aquelas mais desenvolvidas, com as quais o Brasil se compara.

    "As sete maiores economias do mundo terão um desempenho em 2021 — segundo o Fundo Monetário Internacional — superior ao desempenho do Brasil. A pandemia atingiu a gente fortemente, tendo em vista que grande parte do PIB brasileiro vem do setor de serviços, que é um setor que exige uma interação muito grande entre as pessoas", explicou o especialista.

    Segundo ele, o Brasil não adotou as políticas corretas em relação à pandemia, não fazendo um lockdown, com a população não sendo orientada a usar máscara, e esta "fraqueza do governo em alertar a sociedade" fez com que o país não tivesse o controle da doença. Além disso, disse Considera, a vacinação começou tarde, está em um ritmo muito lento e isso fará com que o processo de retomada do crescimento seja muito adiado.

    Profissionais de Saúde colocam flores em cima de um caixão para representar colegas mortos durante a pandemia, em protesto em Brasília, no Brasil, no dia 25 de março de 2021
    © REUTERS / Ueslei Marcelino
    Profissionais de Saúde colocam flores em cima de um caixão para representar colegas mortos durante a pandemia, em protesto em Brasília, no Brasil, no dia 25 de março de 2021

    Posição do Brasil no ranking das maiores economias do mundo

    O autor do estudo avalia que a atual posição do país, oitavo lugar, no ranking das maiores economias do mundo deve ser alterada para 12º ou 13º lugar, pois essas são as previsões que o FMI faz a respeito.

    "A economia brasileira vem sendo afetada muito fortemente pela pandemia. Há uma promessa que teremos uma recuperação em V que se baseia em acreditar que a vacina será efetiva no tempo necessário. Entretanto, fala-se de uma recuperação em V, ou seja, você pode voltar ao ponto que começou a piorar com a pandemia, mas isso não quer dizer que vai continuar crescendo como se imagina", avaliou Considera.

    O especialista disse que há uma previsão de que a economia brasileira cresça 3,5% durante o ano de 2021, mas isso não está garantido: "Provavelmente teremos um primeiro trimestre negativo e o segundo trimestre ainda está indefinido por conta dos problemas que temos tido com a vacinação [contra a COVID-19]".

    Pelo critério do PPC, a China é a maior economia mundial, seguida por EUA, Índia, Japão, Alemanha, Rússia, Indonésia e Brasil. A série histórica do ranking PPC foi alterada por causa da revisão para cima do PIB brasileiro de 2018 e 2019, melhorando a colocação do país na lista.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Brasil: 71% só veem recuperação econômica a partir de 2022, diz CNI
    Brasil criou 184.140 empregos com carteira assinada em março, diz Ministério da Economia
    Orçamento de 2022 não prevê efeitos da COVID-19 no Brasil: 'Há tempo de dimensionar', diz economista
    Tags:
    crescimento econômico, governo, FMI, PIB, economia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar