15:24 11 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    3151
    Nos siga no

    O Brasil recuou no ranking global do PIB (Produto Interno Bruto) per capita em 2020 e deve continuar perdendo posições nos próximos anos, segundo projeções do Fundo Monetário Internacional (FMI).

    O país agora está na 85ª posição, com um PIB per capita anual de US$ 14.916 (aproximadamente R$ 85,5 mil), conforme publicado pelo jornal Valor Econômico. O ranking considera 195 países para os quais há dados disponíveis.

    Nesta lista, o Brasil vem perdendo posições desde 1980, quando estava entre os 50 países com maior PIB per capita.

    Com as crises econômicas da época, o país já havia caído para a 60ª posição em 1990. Em 2000, já era o 67º colocado.

    Em 2014, o Brasil alcançou o maior PIB per capita da série histórica: US$ 15.800 (R$ 90,6 mil em valores atuais). Mesmo assim, o país continuava a cair no ranking geral e estava na 76ª posição global naquele ano.

    O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, ao lado do ministro da Economia, Paulo Guedes, durante cerimônia em Brasília, no dia 25 de março de 2021
    © REUTERS / Ueslei Marcelino
    O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, ao lado do ministro da Economia, Paulo Guedes, durante cerimônia em Brasília, no dia 25 de março de 2021

    De acordo com as projeções do FMI, o Brasil deve chegar a US$ 15.643 em 2021, oscilando para a posição 84ª, e a US$ 18.765 em 2026, caindo para o 90º lugar.

    Diferentemente da renda per capita, o indicador é calculado dividindo o PIB (soma de todos os bens e serviços produzidos no país) pela quantidade de habitantes. O primeiro considera o Produto Nacional Bruto (PNB) em vez do PIB.

    Mais:

    Qual é viabilidade econômica de adotar lockdown em todo o Brasil?
    Presidente do Fed nomeia principal ameaça para economia dos EUA
    Desdolarização deve ser objetivo de qualquer país que queira ter 'direito à voz', diz economista
    Tags:
    mundo, economia, renda, países, ranking, Brasil, PIB
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar