12:22 12 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    1143
    Nos siga no

    Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes confirmou que o STF vai analisar as acusações de suspeição do ex-juiz e ex-ministro da Justiça Sergio Moro.

    Após a decisão surpresa de Edson Fachin na segunda-feira (8), que anulou ações contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em Curitiba, o ministro Gilmar Mendes quer que o STF analise as acusações de suspeição do ex-juiz Sergio Moro.

    Fachin entende que as acusações de que o ex-juiz teria sido parcial perdem o objeto (validade). Porém, Gilmar Mendes, que relata o caso de Moro, entende diferente. Para ele, o STF terá muito o que discutir nas próximas semanas sobre os processos da Lava Jato.

    De acordo com informações do portal G1, Gilmar Mendes decidiu levar a ação de suspeição contra o ex-juiz Sergio Moro ao plenário da Segunda Turma da Corte. O caso deve ser julgado nesta terça (9), e a tendência é que Moro seja condenado.

    Com isso, todas as provas colhidas nos processos contra Lula que tramitaram na 13ª Vara Federal de Curitiba ficariam anuladas, e toda e qualquer investigação contra ele teria que recomeçar do zero.

    Ministro da Justiça Sergio Moro durante debate em comissão do Senado, em Brasília
    © AP Photo / Eraldo Peres
    Ministro da Justiça Sergio Moro durante debate em comissão do Senado, em Brasília
    Fachin determinou a anulação de todas as decisões tomadas pela 13ª Vara de Curitiba nas ações penais contra Lula. Na avaliação do ministro, as ações não poderiam ter corrido em Curitiba porque os fatos apontados não têm relação direta com o esquema de desvios na Petrobras.

    Um dos efeitos colaterais da decisão de Fachin é tirar o foco de desconfianças sobre os procuradores da Lava Jato, bem como de Sergio Moro.

    Além de retomar os processos à estaca zero, Fachin os mandou para a Justiça Federal do Distrito Federal. Esse deslocamento de competência evita a anulação dos inquéritos, interceptações e quebras de sigilo de Curitiba. Essas atividades poderiam culminar na declaração de suspeição de Moro, como deseja Gilmar Mendes.

    Se Moro for também considerado suspeito no período em que comandou a Lava Jato, outros condenados podem recorrer para anular seus processos.

    Alt: Os ministros Gilmar Mendes e Edson Fachin durante sessão na Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), para o julgamento de mais um pedido de liberdade para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
    Os ministros Gilmar Mendes e Edson Fachin durante sessão na Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), para o julgamento de mais um pedido de liberdade para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

    Mais:

    PGR prepara recurso contra anulação de condenações de Lula
    Decisão 'é o reconhecimento de que sempre estivemos corretos', diz defesa de Lula
    Presidente da Argentina comemora anulação das condenações de Lula
    Tags:
    Operação Lava Jato, CPI da Petrobras, petrobras, Lula, Edson Fachin, Gilmar Mendes, lava jato, Brasil, 1ª Turma do STF, Segunda Turma do STF, STF
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar