05:44 18 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    COVID-19 e Brasil em meados de dezembro (59)
    0144
    Nos siga no

    O governador do Maranhão disse também que propôs ao ministro da Saúde que o Brasil produzisse a vacina da Pfizer, mas que ouviu em resposta que o país "não tem onde fabricar" o imunizante.

    O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), defendeu João Doria (PSDB) quanto à conduta do governador de São Paulo sobre a vacinação contra a COVID-19. Para ele, Doria tem agido corretamente desde que Bolsonaro desautorizou o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, a comprar a vacina desenvolvida pela China.

    "Vamos raciocinar: Doria não poderia ficar parado. Ele tem o dinheiro, tem o Butantan, tem uma parceria com a China, por qual motivo vai ficar parado esperando Bolsonaro?", questionou Dino.

    A declaração foi feita em entrevista ao colunista do UOL Chico Alves, publicada nesta sexta-feira (11). Na entrevista, Dino revelou ainda que propôs a Pazuello que o Brasil produzisse a vacina da Pfizer. No entanto, ouviu em resposta do ministro que o país "não tem onde fabricar" o imunizante.

    "Eu disse pra ele: 'Por qual motivo não fabrica?'. Ele respondeu: 'Não tem onde fabricar'. Eu disse: 'Ministro, tem'. Tudo é uma questão de dinheiro, isso é mercado. Não sei qual é a política comercial da Pfizer, mas parece uma coisa meio óbvia: se a AstraZeneca tem interesse, por que a Pfizer não teria, num mercado desse tamanho?", disse Dino.

    Dino avaliou ainda que o governo federal tem trabalhado com lentidão em relação às vacinas contra a COVID-19. Por isso, ele acredita que, caso o governo Bolsonaro não apareça com uma definição nos próximos dias, "catalisadores externos" podem pressioná-lo ainda mais, como o Supremo Tribunal Federal (STF) e os próprios governadores.

    "Se a vacinação avançar rapidamente em outros países cria uma situação insustentável para o Bolsonaro. Vai ficar dizendo: 'Não, a AstraZeneca está chegando'. Mas que dia? Ninguém sabe", falou Dino.
    Governador de São Paulo, João Doria, anuncia plano de vacinação contra a COVID-19
    © Folhapress / Adeleke Anthony Fote/TheNews2
    Governador de São Paulo, João Doria, anuncia plano de vacinação contra a COVID-19

    Nesta quinta-feira (10), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou o uso emergencial de vacinas contra a COVID-19. A aprovação da agência é temporária e de caráter experimental.

    Na última quarta-feira (10), o Ministério da Saúde informou que a vacinação contra a COVID-19 no país poderá começar ainda em dezembro deste ano, ou no início de janeiro de 2021, caso a farmacêutica Pfizer conseguisse a autorização emergencial junto à Anvisa.

    Tema:
    COVID-19 e Brasil em meados de dezembro (59)

    Mais:

    Bolsonaro: Brasil vive 'finalzinho de pandemia' e foi o país que 'melhor se saiu' contra a COVID-19
    Brasil tem quase 180 mil mortes provocadas pela COVID-19
    OMS recomenda que agências nacionais estudem efeitos colaterais de vacinas contra COVID-19
    Casos de reinfecção por COVID-19 são raros e não devem ser levados como regra, diz virologista
    Tags:
    Flávio Dino, COVID-19, vacina, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar