17:45 26 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Pandemia de COVID-19 no mundo no início de dezembro (93)
    0 10
    Nos siga no

    Administração de Alimentos e Medicamentos, a FDA, deve agora aprovar a vacina em caráter emergencial e profissionais de saúde já poderiam ser imunizados semana que vem.

    O painel consultivo da Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA) dos Estados Unidos deu luz verde para o uso emergencial da vacina da farmacêutica Pfizer, em colaboração com a alemã BioNTech, informou o jornal The New York Times.

    A autorização desses especialistas significa que a agência provavelmente aprovará o uso do imunizante, abrindo o caminho para que os profissionais da saúde comecem a receber as vacinas na próxima semana.

    É provável que a agência confirme o aval dentro de poucos dias, dando aos trabalhadores da saúde e aos residentes dos lares de idosos a prioridade para começar a receber as primeiras doses no início da próxima semana.

    Mas ainda é preciso que o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) chancele a decisão da Administração.

    O painel consultivo de vacinas da FDA, composto por especialistas científicos independentes, médicos e estatísticos de doenças infecciosas, aprovou por 17 a 4, com a abstenção de um membro, a autorização de emergência para pessoas com 16 anos ou mais. Embora o órgão não tenha que seguir o conselho de seu painel consultivo, ele normalmente o faz.

    Com este aval formal, o país pode finalmente começar a retardar a propagação do vírus, das infecções e das mortes que atingiram o recorde de mais de três mil falecimentos na quarta-feira (9).

    Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), os Estados Unidos têm quase 15 milhões de infectados e 283 mil mortos.

    Próximos passos

    A FDA deve conceder uma autorização de uso emergencial no sábado (12), de acordo com pessoas familiarizadas com o planejamento da agência, embora advirtam que exigências legais ou burocráticas de última hora poderiam empurrar o anúncio para o domingo (13) ou depois. A seguir, basta o CDC confirmar a liberação.

    A remessa inicial de 6,4 milhões de doses sairá dos armazéns dentro de 24 horas após a autorização federal. Cerca da metade dessas doses será enviada pelo país e a outra metade será reservada para que os destinatários iniciais recebam sua segunda dose cerca de três semanas depois.

    A chegada das primeiras vacinas é o início de um plano de distribuição complexo, com duração de um mês, coordenado pelas autoridades sanitárias federais e locais, bem como por grandes hospitais e redes de farmácias, que, se bem sucedido, ajudará a devolver um país em luto e economicamente deprimido, de volta a algum nível de normalidade, talvez até o verão.

    "Com a alta eficácia e o bom perfil de segurança mostrados para nossa vacina, e a pandemia essencialmente fora de controle, a introdução dela é uma necessidade urgente", disse Kathrin Jansen, vice-presidente sênior e chefe de pesquisa e desenvolvimento de vacinas da Pfizer.

    A votação encerra um ano agitado para a Pfizer e sua parceira alemã BioNTech, que começaram a trabalhar na vacina há 11 meses, quebrando todos os recordes de velocidade para o desenvolvimento de um imunizante, o que normalmente leva anos.

    É também um triunfo para a FDA que tem mantido sua reputação como padrão mundial para revisões de medicamentos, apesar de meses da pressão política do presidente Trump.

    A vacina da Pfizer já foi aprovada no Reino Unido e Bahrein. O Canadá a aprovou na quarta-feira (9).

    24 horas por dia

    A autorização americana da vacina da Pfizer deve ser seguida em breve por uma da farmacêutica Moderna, também norte-americana, que usa tecnologia semelhante e também tem mostrado resultados promissores em testes clínicos.

    O programa multibilionário do governo Trump para o desenvolvimento rápido da vacina encomendou previamente 100 milhões de doses do imunizante da Pfizer em julho e apoiou o desenvolvimento e a fabricação da vacina da Moderna.

    Mais de 100 funcionários da FDA trabalharam quase 24 horas por dia para analisar o pedido apresentado pela Pfizer em 20 de novembro, comprimindo meses de análise em semanas, à medida que chegavam milhares de páginas de dados de ensaios clínicos e fabricação.

    Tema:
    Pandemia de COVID-19 no mundo no início de dezembro (93)

    Mais:

    Pfizer relata venda total de sua vacina a outros países, arriscando vacinação nos EUA, diz jornal
    Pfizer diz que pode vacinar 'milhões de brasileiros' até março
    Reino Unido emite alerta após 2 pessoas sofrerem reação alérgica à vacina da Pfizer
    Tags:
    COVID-19, Food and Drugs Administration (FDA), Pfizer, OMS
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar