00:47 16 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Coronavírus no Brasil no início de dezembro (59)
    0 33
    Nos siga no

    Número é muito superior ao anunciado pelo Ministério da Saúde, mas vice-presidente não explicou a diferença. E também não mencionou a vacina de qual fabricante vai imunizar a população.

    O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, disse na manhã desta segunda-feira (7) que até o fim de 2021 há a expectativa de que cerca de 150 milhões de brasileiros sejam vacinados contra a COVID-19 em todo o país, informou o site G1.

    O número é muito maior do que o citado pelo Ministério da Saúde no dia 1º de dezembro - 109,5 milhões -, mas Mourão não explicou a discrepância de quase 30%. E não disse qual vacina será utilizada e nem detalhou o plano de imunização.

    "Brevemente nós vamos voltar a estar reunidos, como sempre estivemos, pois vamos dispor da vacina, a vacina que será distribuída em todo território nacional. Esperamos até o final de 2021 termos em torno de 150 milhões de brasileiros vacinados, que é um número extremamente significativo e, consequentemente, termos a capacidade de retomar a normalidade nas nossas vidas", afirmou durante entrevista na Associação Comercial de São Paulo, em comemoração aos 126 anos da entidade.

    Na ocasião, o Ministério da Saúde disse que a estimativa é que a vacinação ocorra "em duas doses, como previsto pelos esquemas vacinais dos imunizantes já garantidos pelo Ministério da Saúde – Fiocruz/AstraZeneca e por meio da aliança COVAX Facility".

    'Forma eficiente'

    Durante a palestra, o vice-presidente defendeu o governo dizendo disse que ele agiu de "forma eficiente" durante a pandemia e evitou um colapso do sistema com o repasse de recursos para estados e municípios com a compra de recursos necessários e a distribuição de profissionais da saúde.

    Em novembro, o presidente Jair Bolsonaro afirmou, em parecer enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF), que o Ministério da Saúde não dá tratamento diferenciado às vacinas em desenvolvimento pela China e pela Universidade de Oxford.

    "A Consultoria Jurídica junto ao Ministério da Saúde assegura que não há tratamento diferenciado entre a vacina CoronaVac e a AstraZeneca", dizia o parecer assinado pelo presidente e elaborado pela Advocacia Geral da União (AGU).

    Estratégia preliminar de vacinação

    As chamadas "definições preliminares da estratégia" não citam a vacina CoronaVac, da farmacêutica chinesa Sinovac, que está na fase final de testes e já tem previsão de distribuição no Brasil.

    Em 21 de outubro, Bolsonaro afirmou nas redes sociais que o Brasil não iria comprar "a vacina da China". No dia anterior à postagem, o Ministério da Saúde havia anunciado a compra de 46 milhões de doses da CoronaVac, vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac.

    No mesmo dia em que citou o número de 109,5 milhões de pessoas a serem vacinadas, o Ministério divulgou os primeiros pontos da estratégia preliminar para a vacinação da população contra a COVID-19 que será dividida em quatro etapas.

    Na primeira, seriam trabalhadores da saúde, população idosa a partir dos 75 anos, pessoas com 60 anos ou mais que vivem em instituições de longa permanência (como asilos e instituições psiquiátricas) e população indígena.

    Na segunda fase, cidadãos de 60 a 74 anos.

    Na terceira, pessoas com comorbidades - associação de duas ou mais doenças que aparecem de modo simultâneo - que apresentam maior chance para agravamento da COVID-19, como pacientes com doenças renais crônicas e cardiovasculares.

    Na última fase, professores, forças de segurança e de salvamento, além de funcionários do sistema prisional e da população privada de liberdade.

    Apesar da divulgação preliminar, o governo afirma que o plano de imunização só ficará pronto quando houver vacina registrada na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

    Tema:
    Coronavírus no Brasil no início de dezembro (59)

    Mais:

    Mourão diz que embaixada da China não deveria ter usado redes sociais para rebater Eduardo Bolsonaro
    Mourão diz que morte em supermercado não foi racismo, porque 'no Brasil não existe racismo'
    Mourão minimiza aumento do desmatamento da Amazônia: 'Podia ser pior ainda'
    Tags:
    STF, Jair Bolsonaro, Fiocruz, Vacina CoronaVac, Ministério da Saúde, Antonio Hamilton Mourão, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar