00:55 26 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    546
    Nos siga no

    O vice-presidente Hamilton Mourão saiu em defesa de Jair Bolsonaro nesta segunda-feira (16) ao dizer que não se pode "debitar" ao presidente os resultados das eleições municipais.

    A declaração do vice-presidente foi feita durante sua chegada ao Palácio do Planalto nesta segunda-feira (16), um dia após as eleições municipais deste domingo (15).

    "Não se pode debitar nada em relação ao presidente Bolsonaro, porque ele não entrou de cabeça nessa eleição. Ele apoiou alguns candidatos aí, muito pouco, mas não tinha, você sabe que o presidente está sem partido, então, sem uma estrutura partidária fica difícil você participar de uma eleição", disse Mourão, segundo o G1.

    Ao longo da última semana, na reta final da campanha eleitoral, Bolsonaro pediu votos para candidatos aos cargos de prefeito e vereador em diversas cidades durante lives em redes sociais.

    A maior parte dos candidatos indicados pelo presidente para a eleição deste domingo (15) não tiveram sucesso. Dos 13 indicados para o cargo de prefeito, dois foram eleitos. Já entre os 45 candidatos a vereadores apoiados por Jair Bolsonaro, dez se elegeram, conforme levantamento do G1.

    Na mesma entrevista, Mourão disse ainda que as eleições deste domingo (15) indicaram um fortalecimento de "partidos mais tradicionais".

    "O que eu vi também são políticos mais tradicionais, mais conhecidos, os que foram aí eleitos já no primeiro turno em grandes cidades, e aqueles que estão competindo pelo segundo turno. Isso é uma realidade, não dá para fugir disso aí", declarou.

    Mais:

    Filho do presidente, Carlos Bolsonaro teve 34% menos votos do que na última eleição
    Bolsonaro põe apuração em xeque e pede por sistema eleitoral 'que não deixe dúvidas'
    Hamilton Mourão diz que 'como indivíduo' reconhece vitória de Joe Biden
    Tags:
    Palácio do Planalto, eleições, Jair Bolsonaro, Antonio Hamilton Mourão, General Mourão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar