00:47 24 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    7252
    Nos siga no

    O presidente Jair Bolsonaro disse neste domingo (15) que "a esquerda foi a grande derrotada" das eleições municipais deste ano e que a "onda conservadora chegou para ficar".

    A mensagem foi colocada no Twitter do presidente.

    ​Em entrevista à Sputnik Brasil, o cientista político Carlos Eduardo Martins, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), disse que a declaração de Bolsonaro não corresponde à realidade.

    "Essa afirmação do presidente Jair Bolsonaro tem a mesma consistência que a pólvora que ele pretende usar contra os Estados Unidos. É uma declaração sem nenhuma pretensão de produzir uma análise séria e concreta da realidade, é uma fake news do presidente que quer tornar crível uma versão contra os fatos", afirmou.

    Segundo Carlos Eduardo Martins, a "onda conservadora" mencionada por Bolsonaro não ocorreu.

    "Ao contrário do que diz o presidente Bolsonaro essa onda conservadora está fazendo água. Está fazendo água no mundo inteiro, está fazendo água na América Latina e está fazendo água no Brasil", comentou.

    ​Para o cientista político, a declaração de Bolsonaro tinha como objetivo mobilizar a sua base eleitoral fiel.

    "O presidente Bolsonaro faz afirmações muito mais preocupado em mobilizar o seu público do que propriamente em fazer uma análise da realidade. O que as eleições revelam é que em todo lugar mais relevante onde o presidente Bolsonaro se meteu os resultados eleitorais foram muito desfavoráveis a ele", disse.

    'Estamos em uma transição política no Brasil'

    Carlos Eduardo Martins acredita que as eleições municipais deste domingo (15) apontam que o Brasil está passando por um momento de "transição política".

    "Em São Paulo o candidato que ele se engajou teve o pior desempenho de toda a sua história política em São Paulo. No Rio de Janeiro o Crivella passa em uma situação muito desfavorável e o que as eleições estão indicando é que estamos em uma transição política no Brasil", declarou.

    De acordo com Martins, Bolsonaro provavelmente vai enfrentar dificuldades nas capitais brasileiras nas eleições presidenciais de 2022.

    "O Jair Bolsonaro já teve seu auge no Brasil, ele tem um piso, ele não passa muito de 30% de adesões, a taxa de rejeição dele é bastante grande, as eleições mostram que ele vai ter dificuldade nas capitais", completou.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tags:
    partidos de esquerda, esquerda, direita conservadora, neoconservadores, conservadorismo, conservadores, eleições regionais, eleições, Jair Bolsonaro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar