19:49 02 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Coronavírus no Brasil em meados de novembro (37)
    341
    Nos siga no

    Ministro da Economia confirma que plano A é voltar ao Bolsa Família, mas que haverá reação em caso de recrudescimento da pandemia.

    A prorrogação do auxílio emergencial em caso de segunda onda da COVID-19 "é certeza", disse nesta quinta-feira (12) o ministro da Economia, Paulo Guedes, informou o jornal O Globo.

    Falando num evento do setor de supermercados, Guedes ressaltou, porém, que continuar com o auxílio emergencial não é o plano A do governo.

    "Qual o plano para o auxílio emergencial? Remoção gradual, e nós voltamos para o Bolsa Família. Esse é o plano A. Existe possibilidade de haver a prorrogação do auxílio emergencial? Se houver uma segunda onda de pandemia, não é possibilidade, é uma certeza, vamos ter que reagir. Mas não é o plano A, não é o que estamos pensando agora", disse o ministro.

    Guedes comentou que o auxílio foi criado "para enfrentar uma calamidade" e que a pandemia está em queda "e o auxílio emergencial está descendo junto". Isso reforça o projeto do governo de não trabalhar com a prorrogação do auxílio, que termina em dezembro, e com a ideia do programa Renda Cidadã.

    O ministro confirmou que o governo vai agir contra uma possível segunda onda no país como agiu na primeira. Mas que pretende gastar menos do que os R$ 580 bilhões investidos em medidas contra a pandemia.

    "Se houver uma segunda onda, atingir os brasileiros de novo, nós vamos reagir da mesma forma que reagimos na primeira onda. Vamos ter que criar o estado de calamidade pública. Neste ano nós gastamos 10% do PIB, talvez a gente gaste 4%. A probabilidade hoje é baixa, não é tão alta, mas nós temos que estar preparados", continuou e ainda dizendo que vê a inflação como "transitória".

    O ministro aproveitou para dar um recado a quem é a favor de gastos sem limite e citou a dívida pública que já se aproxima de 100% do valor do Produto Interno Bruto (PIB).

    "É muito fácil agradar a todo mundo, dar um dinheiro para todo mundo, e hipotecar o futuro de nossos filhos e netos, que é o que tem sido feito há muitos governos", terminou.
    Tema:
    Coronavírus no Brasil em meados de novembro (37)

    Mais:

    Números de Guedes não refletem realidade sobre emprego no Brasil, avalia socióloga
    Após recuo do governo, Guedes diz que privatizar SUS seria 'insanidade'
    Nós vamos dançar com todo mundo, diz Guedes sobre possível vitória de Biden nos EUA
    Tags:
    pandemia, Paulo Guedes, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar