13:55 29 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    COVID-19 no Brasil em meados de outubro (54)
    275
    Nos siga no

    O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta sexta-feira (16) que o governo federal não pretende estender o pagamento do auxílio emergencial para 2021.

    Em evento promovido pela XP Investimentos, o ministro também informou que não desistiu da implementação de um imposto sobre transações, nos moldes da antiga CPMF, para bancar a ampla desoneração da folha das empresas.

    "Não há qualquer plano para estender o auxílio, nenhum. Isso não é verdade. Isso não é nossa intenção, não é o que o presidente disse. Não é o que o ministro da Economia quer. De jeito nenhum", afirmou Guedes.

    O ministro justificou a descontinuidade do auxílio emergencial com base no teto de gastos.

    "Quando a pandemia nos atingiu, nós criamos um regime emergencial. Agora, nós não podemos utilizar a desculpa do regime emergencial para explodir o teto de gastos", disse, citado pela agência Reuters.

    O ministro destacou que "de modo algum" desistiu de criar novos impostos.

    "Eu não sou um homem de desistir facilmente das coisas", afirmou.

    Tema:
    COVID-19 no Brasil em meados de outubro (54)

    Mais:

    Imposto sobre transações financeiras será uma nova CPMF, afirma advogado
    Pouco após defender imposto nos moldes da CPMF, Guedes diz que 'pode desistir' da ideia
    Entre brasileiros mais pobres, auxílio emergencial fez renda subir 132%
    Cerca de 5,7 milhões de brasileiros vão deixar de receber parcelas de R$ 300 do auxílio emergencial
    Decisão de reduzir o auxílio emergencial para R$ 300 é uma 'estupidez', afirma economista
    Tags:
    COVID-19, auxílio financeiro, auxílio, economia, Paulo Guedes, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar