03:30 26 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    COVID-19 no Brasil em meados de outubro (54)
    180
    Nos siga no

    O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, declarou nesta segunda-feira (19) que a eficácia da vacina chinesa CoronaVac deve ser comprovada até dezembro.

    Desenvolvida pela empresa chinesa SinoVac em parceria com o Instituto Butantan, a CoronaVac está na terceira fase de testes, realizados com 9.000 voluntários brasileiros.

    "É uma vacina muito segura, isso já é esperado pela própria tecnologia envolvida nessa vacina. Na realidade, neste momento, é a vacina que tem o perfil de segurança melhor entre todas as vacinas que estão sendo testadas", afirmou Dimas Covas, citado pelo G1.

    De acordo com o diretor do Butantan, os voluntários brasileiros tiveram reações adversas leves com os testes da vacina, apresentando "um perfil de segurança muito apropriado".

    "Nós aguardamos o fim dessa fase de estudos, obviamente que é um estudo clínico que ainda demanda outras fases, principalmente a fase de eficácia, e que nós aguardamos aí até o fim do ano que possa ocorrer a demonstração da eficácia para que a nossa Anvisa possa registrar a nossa vacina", completou o diretor.

    Também nesta segunda-feira (19), o diretor-geral do Fundo Russo de Investimentos Diretos (RFPI, na sigla em russo), Kirill Dmitriev, confirmou a produção da vacina russa Sputnik V no Brasil.

    Tema:
    COVID-19 no Brasil em meados de outubro (54)

    Mais:

    Vacina da China contra COVID-19 se mostra promissora em testes em humanos, diz Lancet
    Críticas contra a vacina Sputnik V têm natureza política, diz vice-presidente venezuelana
    Segundo pesquisa, 53% dos brasileiros tomariam vacina russa contra coronavirus
    Bolsonaro reforça que brasileiro não será obrigado a tomar vacina contra COVID-19
    Tags:
    Brasil, China, São Paulo, Instituto Butantan, novo coronavírus, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar