08:13 30 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    COVID-19 no Brasil em meados de outubro (54)
    2310
    Nos siga no

    Nesta quarta-feira (14), o Ministério da Saúde apresentou um cronograma para a vacinação contra a COVID-19 no Brasil contando apenas com a vacina de Oxford, que está em fase final de testes e será produzida no Brasil pela Fiocruz, caso aprovada.

    Conforme publicou o jornal Folha de São Paulo, os secretários estaduais consideram que o governo federal ignorou a CoronaVac, vacina desenvolvida pela chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, em São Paulo, que realiza testes de fase três do imunizante no Brasil. Os testes têm previsão de conclusão ainda em outubro.

    O governador de São Paulo, João Doria, prometeu anteriormente que as primeiras doses da vacina já começariam a ser aplicadas em dezembro deste ano. Ao jornal Folha de São Paulo, o secretário de Saúde paulista, Jean Gorinchteyn, afirmou que "as vacinas não estão sendo tratadas de forma republicana pelo Ministério da Saúde".

    Médico do Hospital Universitário de Brasília mostra a vacina chinesa da Sinovac, voltada ao novo coronavírus
    © AP Photo / Eraldo Peres
    Médico do Hospital Universitário de Brasília mostra a vacina chinesa da Sinovac, voltada ao novo coronavírus

    Ainda conforme a publicação, Gorinchteyn disse que todos os presentes na reunião de anúncio do cronograma pelo secretário-executivo do Ministério da Saúde, Elcio Franco, entenderam a situação da mesma forma. Conforme o jornal, os secretários não veem sentido em apresentar um cronograma sem a vacina da Sinovac.

    Na segunda-feira (12), Gorinchteyn declarou que caso o Ministério da Saúde não feche acordo para distribuição da vacina, São Paulo o fará com logística própria e que outros estados demonstraram interesse na distribuição do imunizante.

    Na apresentação aos secretários, o governo federal previu 100 milhões de doses da vacina de Oxford no primeiro semestre e entre 100 e 165 milhões de doses no segundo. A parceria pela vacina britânica, desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela farmacêutica AstraZeneca, foi anunciada em junho pelo Ministério da Saúde envolvendo o pagamento de US$ 127 milhões (cerca de R$ 710 milhões).

    Tema:
    COVID-19 no Brasil em meados de outubro (54)

    Mais:

    Brasil firma parceria por vacina britânica contra a COVID-19, diz Ministério da Saúde
    'Não é daquele outro país': Bolsonaro alfineta China ao exaltar vacina de Oxford contra COVID-19
    94,7% dos voluntários que receberam vacina CoronaVac não apresentaram efeitos colaterais
    Doria: São Paulo receberá 5 milhões de doses de CoronaVac em outubro
    SP fará distribuição local da CoronaVac se governo federal não fechar parceria, diz secretário
    Tags:
    Ministério da Saúde, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar