23:44 30 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    8215
    Nos siga no

    O advogado Cristiano Zanin Martins, alvo de operação da Lava Jato nesta quarta-feira (9), disse que era "óbvio" que a força-tarefa "iria promover uma retaliação" contra ele. 

    Zanin é um dos advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e crítico dos métodos da Lava Jato. Deflagrada nesta quarta-feira pela Polícia Federal e Ministério Público, a Operação E$quema S cumpre 50 mandados de busca e apreensão em escritórios de advocacia, endereços pessoais e de empresas. 

    O operação investiga desvios de pelo menos R$ 150.000.000 do Sistema S e da Fecomércio do Rio de Janeiro por escritórios de advocacia no Rio e em São Paulo.

    Por meio do Twitter, Zanin disse que tinha atuado nos "últimos anos" para "desmascarar abusos" da Lavaja Jato, por isso a operação de hoje era uma tentativa de "retaliação". 

    ​Além disso, por meio de nota, o advogado criticou o juiz Marcelo Bretas, que expediu os mandados, afirmando que ele é ligado ao presidente Jair Bolsonaro e citando a investigação por suspeita de corrupção contra o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ).

    "O juiz Marcelo Bretas é notoriamente vinculado ao presidente Jair Bolsonaro e sua decisão no caso concreto está vinculada ao trabalho desenvolvido em favor de um delator assistido por advogados ligados ao senador Flávio Bolsonaro. A situação fala por si só", disse Zanin. 

    'Invasão da minha casa'

    A operação da Lava Jato tem como base delação premiada de Orlando Diniz, ex-presidente da Fecomércio. A delação é assinada pelas advogadas Juliana Bierrenbach Bonetti e Ana Heymann Arruti, do escritório Bierrenbach & Pires Advogados, que assumiu a defesa de Flávio Bolsonaro no caso Queiroz.

    Zanin também disse que a operação tinha como objetivo intimidá-lo. 

    "A iniciativa do senhor Marcelo Bretas de autorizar a invasão da minha casa e do meu escritório de advocacia a pedido da Lava Jato somente pode ser entendida como mais uma clara tentativa de intimidação do Estado brasileiro pelo meu trabalho como advogado, que há tempos vem expondo as fissuras no Sistema de Justiça e do Estado Democrático de Direito. É público e notório que minha atuação na advocacia desmascarou as arbitrariedades praticadas pela Lava Jato, as relações espúrias de seus membros com entidades públicas e privadas e sobretudo com autoridades estrangeiras", disse ele. 

    Outro advogado de Lula, Roberto Teixeira, é alvo da operação da Lava Jato. Também foram realizadas buscas em endereço de Frederick Wasseff, ex-advogado da família Bolsonaro. Não há mandados de prisão. Segundo o MPF, o esquema envolvia contratos falsos, sem a prestação dos serviços advocatícios. 

    Mais:

    Absolvição de Lula é fruto de uma análise feita por um juiz imparcial, diz advogado do ex-presidente
    Deltan Dallagnol deixa a Lava Jato, diz MPF
    Procuradores da Lava Jato em São Paulo pedem demissão coletiva
    Lula está 'mais ofensivo, menos conciliador', diz cientista política
    Tags:
    Sistema S, Fecomércio-RJ, corrupção, Ministério Público Federal, MP, Polícia Federal, Lava Jato, Luiz Inácio Lula da Silva, Cristiano Zanin Martins, São Paulo, Rio de Janeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar