22:48 23 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    5152
    Nos siga no

    A loja de chocolates do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos) recebeu sucessivos depósitos em dinheiro vivo e com o mesmo valor, o que pode indicar a prática de lavagem de dinheiro, segundo o Ministério Público do Rio de Janeiro.

    Dados obtidos por meio da quebra de sigilo bancário do senador, e divulgados pelo Jornal Nacional, mostram que o empreendimento do filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) recebeu 1.512 depósitos em dinheiro entre março de 2015 e dezembro de 2018.

    Há o registro de 63 depósitos de R$ 1,5 mil, outros 63 de R$ 2 mil e 74 de R$ 3 mil. Alguns dias tiveram depósitos sucessivos de valores fracionados e há apenas um depósito no período da quebra de sigilo acima de R$ 10 mil, quantia mínima necessária para ser alvo de possível análise das autoridades financeiras do Brasil.

    A loja foi comprada pelo senador em 2015 — e Flávio fez uma retirada de lucro de R$ 180 mil dois meses após a aquisição. 

    De acordo com o MP, os depósitos não são compatíveis ao faturamento da loja de chocolates e coincidem com o período em que Fabrício Queiroz operava uma possível rachadinha no gabinete de Flávio, então deputado estadual.

    Mais:

    Defesa de Queiroz pede ao STJ para trocar relator do caso
    Quebra de sigilo bancário de filha de Queiroz liga rachadinha a gabinete de Jair Bolsonaro
    Ministro do STJ manda Queiroz de volta para a prisão
    Fabrício Queiroz e esposa continuam em prisão domiciliar
    Zeca Dirceu duvida que Bolsonaro queira acordo Mercosul-UE e busca respostas em Portugal
    Tags:
    lavagem de dinheiro, MP, chocolate, depósito, Flávio Bolsonaro, senador
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar