06:20 23 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    2 0 0
    Nos siga no

    O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, afirmou nesta sexta-feira (28) que nunca foi constatada fraude nas eleições realizadas por meio de votação na urna eletrônica.

    A declaração do ministro foi realizada após a divulgação do resultado do teste público de segurança do equipamento, informou Agência Brasil.

    De acordo com o tribunal, dos 13 planos de ataque feitos pelas entidades que participaram dos testes, apenas dois conseguiram obter sucesso parcial. Peritos da Polícia Federal (PF) conseguiram romper uma das diversas barreiras de proteção, mas não conseguiram alterar os dados de eleitores e de candidatos. Assim foi confirmada a inviolabilidade dos dados principais, disse o TSE.

    Para Roberto Barroso, a sociedade pode ter certeza que o candidato mais votado nas urnas foi legitimamente escolhido pelos eleitores. Barroso lembrou que no tempo da votação manual eram registradas muitas fraudes. Mas nunca foi registrada nenhuma irregularidade com a votação eletrônica, disse o ministro.

    "A votação por meio da urnas eletrônicas, que já vigora no Brasil há mais de duas décadas, já passou por diversas auditorias nos últimos anos, e jamais foi constatada qualquer fraude. Tudo que é humano está sujeito à aperfeiçoamento, mas nunca se documentou nenhum tipo de fraude relevante que pudesse comprometer o resultado das eleições", disse o presidente do TSE.

    Nesta sexta-feira (28), o TSE anunciou a ampliação da votação nas eleições municipais deste ano, cujo primeiro turno está marcado para 15 de novembro. As urnas serão abertas mais cedo e ficarão aptas a receber votos das 7h às 17h, sempre no horário local.

    Mais:

    TSE inicia testes de segurança das urnas eletrônicas para as eleições brasileiras de 2020
    Após Bolsonaro afirmar sem provas que eleição foi fraudada, TSE defende urnas eletrônicas
    Tags:
    Brasil, urnas eletrônicas, TSE, eleições
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar