11:20 13 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    0 60
    Nos siga no

    Um trio de procuradores da Operação Lava Jato deixaram o grupo da investigação nesta sexta-feira (26), em meio a uma disputa de profissionais de Brasília e de Curitiba acerca de dados considerados sigilosos.

    O problema teve início quando a subprocuradora Lindôra Maria Araújo, coordenadora da Lava Jato na Procuradoria-Geral da República (PGR), solicitou acesso a dados das forças-tarefas da operação nos estados, segundo noticiou o portal G1.

    Ela esteve em Curitiba na semana passada para tratar da transferência de informações sigilosas. Em resposta, a força-tarefa da Lava Jato acionou a Corregedoria Nacional do Ministério Público Federal (MPF).

    Para os procuradores de Curitiba, a ação foi feita "como medida de cautela" e "para prevenir responsabilidades". Já o coordenador da força-tarefa no Paraná, Deltan Dallagnol, destacou que era preciso adotar preceitos formais para repassar os dados, evitando questionamentos ou a nulidade de provas e informações.

    Por sua vez, a PGR informou por meio de nota que a subprocuradora "não buscou compartilhamento informal de dados", mas a obtenção de "informações globais sobre o atual estágio das investigações e o acervo da força-tarefa, para solucionar eventuais passivos".

    Deltan Dallagnol, coordenador da Lava Jato, dá entrevista em Curitiba, 26 de janeiro de 2017
    © AP Photo / Andre Penner
    Deltan Dallagnol, coordenador da Lava Jato, dá entrevista em Curitiba, 26 de janeiro de 2017
    "Os assuntos da visita de trabalho, como é o normal na Lava Jato, são sigilosos. A PGR estranha a reação dos procuradores e a divulgação dos temas, internos e sigilosos, para a imprensa", acrescentou o texto da nota.

    Todo o impasse e a crise criada pela discordância entre os procuradores da Lava Jato de Curitiba e Brasília levou à saída do grupo da capital federal de Hebert Reis Mesquita, Victor Riccely Lins Santos e Luana Macedo Vargas. Já Lindôra Maria Araújo, Alessandro José Fernandes de Oliveira e Leonardo Sampaio de Almeida seguem no grupo.

    Em um comunicado, a força-tarefa da Lava Jato em Curitiba elogiou os procuradores que deixaram o grupo em Brasília, exaltando os trabalhos até aqui realizados.

    Mais:

    Dallagnol: É 'irresponsabilidade' dizer que Lava Jato quebrou empresas
    Bolsonaro: juiz de garantia não é ataque à Lava Jato
    Lava Jato: ex-presidente da Petrobras é condenado a 6 anos de prisão por corrupção
    Tags:
    investigação, Deltan Dallagnol, MPF, Procuradoria-Geral da República (PGR), Operação Lava Jato, Brasília, Curitiba, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar