15:50 24 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    3145
    Nos siga no

    A operação da Lava Jato, chamada Operação Fiat Lux, contra fraudes na Eletronuclear foi iniciada nesta quinta-feira (25).

    Ao todo, 17 mandados de busca e apreensão e 12 de prisão temporária foram expedidos pela Justiça nos estados do Rio de Janeiro e São Paulo e no Distrito Federal. Dentre os alvos da operação, está Silas Rondeau, ministro das Minas e Energia entre 2005 e 2007. Além dele, um ex-deputado federal também é procurado, segundo o portal G1.

    O esquema investigado faz parte de mais uma etapa para atingir os responsáveis por contratos fraudulentos e pagamento de propina na Eletronuclear.

    A Operação Pripyat apura crimes de corrupção e lavagem de dinheiro na construção da Usina de Angra 3 pela Eletronuclear
    Divulgação/Eletronuclear
    A Operação Pripyat apura crimes de corrupção e lavagem de dinheiro na construção da Usina de Angra 3 pela Eletronuclear

    As irregularidades foram contatadas pela Polícia Federal no processo de obras da Angra 3, terceira usina da Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto, em Angra dos Reis, no litoral sul fluminense.

    A investigação teve como base a colaboração premiada de dois lobistas ligados ao Movimento Democrático Brasileiro (MDB), que foram presos em 2017, após ordem da 13ª Vara Federal de Curitiba, no Paraná.

    De acordo com a Polícia Federal, o esquema investigado inclui alvos que não foram abrangidos pelas operações Radioatividade, Irmandade, Prypiat e Descontaminação.

    Além disso, todas foram deflagradas para execução de mandados em desfavor dos envolvidos na organização criminosa que situou a Eletronuclear.

    Mais:

    Lava Jato: ex-presidente da Petrobras é condenado a 6 anos de prisão por corrupção
    Coordenador da Lava Jato na PGR deixa o cargo
    Juiz Marcelo Bretas, responsável pela Lava Jato no RJ, é internado com COVID-19
    Tags:
    Polícia Federal, políticos, propina, Fraudes, fraude, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar