04:13 28 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    COVID-19 no Brasil no início de abril de 2020 (99)
    5233
    Nos siga no

    Número dois e porta-voz da Embaixada da China no Brasil, o ministro-conselheiro Qu Yuhui afirmou que "um ou dois indivíduos irresponsáveis" não irão atrapalhar as relações entre Pequim e Brasília, referindo-se aos recentes episódios com nomes ligados ao presidente Jair Bolsonaro.

    Em contato por videoconferência com jornalistas brasileiros na sexta-feira (10), o diplomata chinês destacou que as declarações proferidas pelo deputado Eduardo Bolsonaro, filho do presidente, e do ministro da Educação, Abraham Weintraub, atrapalham as relações entre os dois países.

    "Não são favoráveis à manutenção de um bom ambiente de negociação e cooperação entre dois países. Por outro lado, as relações entre Brasil e China são muito maduras. Essa parceria é um trabalho de várias gerações, de muitos esforços de muitas pessoas dedicadas a essas causas que não vai ser abalada ou danificada facilmente por um ou dois indivíduos irresponsáveis", sentenciou, citado pelo jornal O Estado de S. Paulo.

    Enquanto o filho do presidente criou uma crise diplomática ao culpar a China pela pandemia do novo coronavírus, comparando a situação no país asiático ao episódio nuclear em Chernobyl, Weintraub ironizou o jeito de falar de asiáticos usando personagens da Turma da Mônica e acusando, sem apresentar provas, que a China teria vantagens com a crise.

    A China reagiu duramente em ambas as ocasiões, exigindo desculpas do Itamaraty. No caso do seu filho, Bolsonaro chegou a manter uma conversa por telefone com o presidente Xi Jinping, a fim de aparar as arestas pelo episódio no mesmo período em que o Brasil busca ajuda chinesa na luta contra a COVID-19.

    Jair Bolsonaro e o presidente da China, Xi Jinping, posam para foto durante encontro do G20, em Osaka.
    © Sputnik / Mikhail Klimentiev
    Jair Bolsonaro e o presidente da China, Xi Jinping, posam para foto durante encontro do G20, em Osaka.

    "Até hoje não conseguimos entender por que eles fizeram este tipo de declarações. Ou é pela ignorância, ou é por outras intenções que não sabemos quais são. Como figuras públicas, eles devem ter uma noção do peso da responsabilidade", avaliou o número dois da Embaixada da China no Brasil.

    O diplomata chinês reforçou a forte parceria comercial entre os dois países (a China é o maior comprador de produtos brasileiros) e lamentou ações que queiram atrapalhar essa relação. Sobre a COVID-19, ele revelou que médicos dos dois países estão trocando experiências, e que a China vem tentando fornecer os pedidos feitos pelo Brasil e outros 57 países.

    Qu Yuhui ainda destacou que espera que os brasileiros respeitem as medidas de isolamento social, algo que segue sendo realizado na China, e destacou ver com cautela o uso a hidroxicloroquina e da cloroquina no combate ao coronavírus. A medida tem o apoio de Bolsonaro, mas Pequim vê de outra maneira.

    "Pelo lado chinês, somos cautelosos ao uso de certo medicamento que não tem 100% de segurança e 100% de que é eficiente. No caso de cloroquina, ela está sendo usada em teste, mas ainda não está sendo aplicado no tratamento clínico", completou.
    Tema:
    COVID-19 no Brasil no início de abril de 2020 (99)

    Mais:

    Eduardo Bolsonaro contraiu 'vírus mental' em Miami, diz embaixada da China no Brasil
    Polêmica de Eduardo Bolsonaro com China pode prejudicar relações com o Brasil?
    China oferece envio de médicos ao Brasil para combater a pandemia
    Tags:
    racismo, xenofobia, diplomacia, relações bilaterais, saúde, novo coronavírus, COVID-19, Abraham Weintraub, Qu Yuhui, Eduardo Bolsonaro, Xi Jinping, Jair Bolsonaro, China, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar