04:01 24 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    49595
    Nos siga no

    A Embaixada da China no Brasil divulgou um comunicado no início da madrugada desta segunda-feira no qual criticou duramente o ministro da Educação do Brasil, Abraham Weintraub, que ridicularizou o sotaque de asiáticos e fez acusações contra Pequim.

    Em uma postagem no Twitter no último sábado, Weintraub usou o personagem Cebolinha, da Turma da Mônica, para fazer chacota da China. Seguindo a linha do deputado Eduardo Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, ele fez acusações e não apresentou provas.

    "Geopolíticamente, quem podeLá saiL foLtalecido, em teLmos Lelativos, dessa cLise mundial? PodeLia seL o Cebolinha? Quem são os aliados no BLasil do plano infalível do Cebolinha paLa dominaL o mundo? SeLia o Cascão ou há mais amiguinhos?", escreveu o ministro, trocando a letra "r" por "l", assim como na criação de Mauricio de Sousa.

    A postagem vinha acompanhada da capa de um gibi cuja história se passava na China. Diante da repercussão, ela acabou apagada por Weintraub, que não voltou a falar sobre o assunto no domingo.

    Entretanto, a Embaixada da China no Brasil se pronunciou no início desta segunda-feira e não poupou críticas ao ministro da Educação. A representação de Pequim em solo brasileiro acusou Weintraub de fazer "declarações difamatórias contra a China em redes sociais, estigmatizando a China ao associar a origem da COVID-19 ao país".

    "Deliberadamente elaboradas, tais declarações são completamente absurdas e desprezíveis, que têm cunho fortemente racista e objetivos indizíveis, tendo causado influências negativas no desenvolvimento saudável das relações bilaterais China-Brasil. O lado chinês manifesta forte indignação e repúdio a esse tipo de atitude", diz o comunicado.

    A diplomacia chinesa ainda alertou sobre a necessidade de colaboração entre todos os países no combate ao novo coronavírus, e instou expressamente que "alguns indivíduos do Brasil corrijam imediatamente os seus erros cometidos e parem com acusações infundadas contra a China".

    Esse foi o segundo ataque de uma pessoa ligada ao presidente Bolsonaro à China, principal parceiro comercial do Brasil e que está em estágio mais adiantado nos estudos acerca da COVID-19. No dia 18 de março, o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, criticou Eduardo Bolsonaro depois dele comparar a pandemia do coronavírus ao acidente nuclear de Chernobyl, na Ucrânia, em 1986.

    O episódio gerou uma crise diplomática entre os dois países, e o filho do presidente pediu desculpas parcialmente, sem retirar a acusação de que a China seria a culpada pela COVID-19. Jair Bolsonaro chegou a ligar para o líder chinês Xi Jinping para desfazer o caso.

    Mais:

    Visita de Bolsonaro à China: que rumo está tomando parceria com gigante asiático?
    Governo Bolsonaro busca 'refazer retórica em relação à China', diz especialista
    'Tiro no próprio pé': Embaixada da China volta a exigir desculpas de Eduardo Bolsonaro
    Tags:
    relações bilaterais, novo coronavírus, COVID-19, diplomacia, Xi Jinping, racismo, Ministério da Educação, educação, Abraham Weintraub, Eduardo Bolsonaro, Jair Bolsonaro, China, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar