15:15 09 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    COVID-19 no Brasil no início de abril de 2020 (99)
    7111
    Nos siga no

    Dentre os 15 países mais atingidos pela pandemia do novo coronavírus, o Brasil é o que menos realiza testes para detectar a COVID-19, ao mesmo tempo em que os casos internos não param de subir e o país está prestes a superar a marca de um milhar de mortes.

    A dependência extrema de insumos importados para a fabricação de medicamentos e dos testes ajuda a explicar a situação, de acordo com reportagem publicada pelo jornal O Globo nesta sexta-feira (10). Mas a subnotificação, já reconhecida pelas autoridades, vai além.

    A publicação revela que o Brasil testa muito pouco a população. O país faz 296 testes por milhão de habitantes, enquanto o Irã, o segundo que menos testa entre os mais afetados, faz 2.755 por milhão. Os EUA, 7.101 por milhão. A Alemanha, um dos países com menor taxa de mortalidade, testou 1.317.887 pessoas, o que corresponde a 15.730 por milhão.

    O Brasil só produz uma pequena porcentagem dos testes contra a COVID-19. A grande maioria dos testes e dos insumos para a produção deles e de medicamentos que estão sendo testados, como a hidroxicloroquina, vêm do exterior e são produzidos por países como China, EUA, Índia e nações europeias.

    Paciente com lúpus nos EUA porta embalagem de hidroxicloroquina, remédio que está sendo testado contra COVID-19
    © REUTERS / Lindsey Wasson
    Paciente com lúpus nos EUA porta embalagem de hidroxicloroquina, remédio que está sendo testado contra COVID-19

    A forte concorrência também é apontada como um entrave para o Brasil testar mais – hoje os testes são direcionados a pacientes graves, mortos, e profissionais de saúde –, mas a ausência de uma política clara e unificada do governo federal também não ajuda.

    Se de um lado o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou nesta semana estar trabalhando com o embaixador na China no Brasil para obter respiradores e outros equipamentos, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, e um dos filhos do presidente, o deputado Eduardo Bolsonaro, criaram rusgas diplomáticas com Pequim.

    Segundo pesquisadores ouvidos pelo jornal, a falta de investimentos na indústria de biotecnologia e na pesquisa estão agora cobrando o seu preço. De acordo com Roger Chammas, da Rede USP para Diagnóstico da COVID-19 (Rudic), não falta capacidade técnica, mas sim insumos que, se tivesse havido investimento, o país poderia produzir aqui.

    Tema:
    COVID-19 no Brasil no início de abril de 2020 (99)

    Mais:

    Morre indígena de 15 anos com COVID-19 em Roraima
    OMS alertou para transmissão da COVID-19 entre humanos ainda no início de janeiro, diz relatório
    Pandemia da COVID-19 demonstra como poderia se desenrolar ataque bioterrorista, adverte ONU
    Tags:
    pandemia, testes, saúde, novo coronavírus, COVID-19, Irã, China, Alemanha, Europa, Estados Unidos, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar