08:11 29 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    14811
    Nos siga no

    Ministério Público Federal apresentou denúncia nesta terça-feira (21) contra o jornalista Glenn Greenwald pela invasão do Telegram de várias autoridades, mesmo sem ele ter sido indiciado ou investigado no caso.

    De acordo com o procurador Wellington Divino Marques de Oliveira, Greenwald, fundador do site The Intercept, foi "partícipe" nos crimes de invasão de dispositivos informáticos e monitoramento ilegal de comunicações de dados, além de ter cometido o crime de associação criminosa.

    A operação Spoofing, do MPF, investiga o roubo de mensagens trocadas entre procuradores da Lava Jato, como o coordenador da operação em Curitiba, Deltan Dallagnol, e o então juiz Sergio Moro.

    Os diálogos mostrariam que Moro e os procuradores excederam o papel de suas funções

    As conversas estão sendo publicadas pelo The Intercept e outros veículos da mídia. De acordo com a Constituição, o jornalista tem garantido o sigilo de fonte. 

    Gilmar Mendes tinha determinado que PF não investigasse jornalista

    Apesar da denúncia, Greenwald não tinha sido investigado nem indiciado pela Polícia Federal, obedecendo a uma decisão cautelar do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF). 

    O procurador, no entanto, afirmou que ficou demonstrado, em um áudio encontrado em um computador apreendido, que o jornalista teria orientado o grupo de hackers a apagar mensagens.

    Segundo o procurador, a atitude caracteriza "clara conduta de participação auxiliar no delito, buscando subverter a ideia de proteção a fonte jornalística em uma imunidade para orientação de criminosos".

    Em julho de 2019, a Polícia Federal prendeu quatro suspeitos de envolvimento na invasão das contas de Telegram das autoridades. 

    Um dos detidos, Walter Delgatti Neto, admitiu que foi o responsável por entrar no aplicativo, capturar as mensagens e repassá-las a Glenn, mas disse que agiu por conta própria e não recebeu dinheiro.

    Além de Glenn e de Delgatti, os outros denunciados pelo MPF são Thiago Eliezer Martins Santos, que seria um dos líderes do grupo; Danilo Cristiano Marques, suposto "testa de ferro" de Delgatti; Gustavo Henrique Elias Santos, que teria criado as ferramentas para invadir o Telegram; a mulher dele, Suelen Oliveira, acusada de agir como laranja em fraudes; e Luiz Molição, que teria sido porta-voz do grupo nas conversas com o jornalista. 

    Defesa diz que decisão  é política e fere liberdade de imprensa

    Os crimes imputados são os de organização criminosa, lavagem de dinheiro (exceto em relação a Glenn) e interceptações telefônicas ilegais.

    A Justiça agora terá que analisar a denúncia. Se considerar que há indícios da prática dos crimes, determinará abertura de processo. Apenas nessa fase os investigados viram réus e é instaurado processo judicial. 

    Por meio de nota, a defesa de Glenn Greenwald disse que recebia a denúncia com "perplexidade", prepararia "medida judicial cabível" e pediu apoio da Associação Brasileira de Imprensa (ABI). 

    "Trata-se de um expediente tosco que visa desrespeitar a autoridade da medida cautelar concedida na Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) nº 601, do Supremo Tribunal Federal, para além de ferir a liberdade de imprensa e servir como instrumento de disputa política. Seu objetivo é depreciar o trabalho jornalístico de divulgação de mensagens realizado pela equipe do The Intercept Brasil em parceria com outros veículos da mídia nacional e estrangeira", diz o comunicado.

    Mais:

    Guedes nega ter pedido investigação sobre movimentação financeira de Glenn Greenwald
    Bolsonaro sobre Glenn Greenwald: 'Talvez ele pegue uma cana aqui no Brasil'
    Glenn Greenwald é agredido por jornalista da TV Record em programa ao vivo na Jovem Pan (VÍDEO)
    Delator diz que Glenn Greenwald não pagou pelas mensagens hackeadas
    Ameaças a Glenn Greenwald são atentado à liberdade de imprensa no Brasil, diz líder da FENAJ
    Tags:
    Deltan Dallagnol, Lava Jato, MPF, justiça, Gilmar Mendes, STF, Glenn Greenwald, Sergio Moro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar