14:37 18 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Deltan Dallagnol, coordenador da Lava Jato, dá entrevista em Curitiba, 29 de janeiro de 2016

    Oposição consegue assinaturas e pressiona por abertura de CPI da Vaza Jato

    © AP Photo / Andre Penner
    Brasil
    URL curta
    8302
    Nos siga no

    Após reunir as assinaturas para a abertura da CPI da Vaza Jato, a deputada federal Jandira Feghali disse à Sputnik Brasil que o parlamento não pode ficar de "braços cruzados diante das denúncias de ilegalidades cometidas pela força-tarefa da Lava Jato".

    "Até aqui nenhum instituição da República deu resposta para as divulgações cada vez mais graves reveladas pelo The Intercept e parceiros, nem de investigação nem de suspensão" de procuradores da força-tarefa, criticou a deputada do PCdoB sobre as matérias que vem apontando supostas irregularidades cometidas por procuradores e pelo então juiz Sergio Moro, hoje ministro da Justiça.

    O objetivo da CPI é aprofundar as investigações sobre a as articulações entre membros da força-tarefa e Moro, que segundo a deputada "não sofreu qualquer abalo em sua presença no governo e não respondeu nada" nas duas vezes em que foi ao Congresso prestar esclarecimentos sobre as denúncias.

    "A Comissão Parlamentar de Inquérito é o instrumento que nós temos de prosseguir e aprofundar as investigações, podendo convocar, por exemplo, o Dallagnon [Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato]". O procurador se recusou a ir ao Congresso para discutir as mensagens reveladas pelo The Intercept e parceiros.

    Pedido foi entregue à Mesa da Câmara

    "A CPI é a maneira que temos de ouvi-lo. Ela não culpa ou condena ninguém, que apurar um fato determinado, que são as mensagem que demonstram irregularidades gravíssimas na justiça brasileira. A única oportunidade que temos de desdobrar as investigações, com amplo direito de defesa e contraditório, é a CPI", afirmou a deputada.

    Segundo Jandira, nem o Ministério Público nem o Supremo Tribunal Federal deram as respostas que a sociedade pede sobre o fato, por isso o parlamento deve agir. "Não podemos ficar de braços cruzados diante de denúncias de tamanha irregularidade", disse ela.

    O requerimento de pedido de abertura da CPI, com 175 assinaturas validadas, foi entregue à Mesa da Câmara na quinta-feira (12). De acordo com o documento, as conversas reveladas pelo The Intecerpt, caso confirmadas, "levantam suspeitas de que o atual Ministro da Justiça e os Membros do Ministério Público agiram com parcialidade, objetivo pré-estabelecido e motivação política na investigação de processos em Curitiba", o que configura "violência contra o Estado Democrático de Direito e os princípios constitucionais". A CPI teria até 180 dias para realizar seus trabalhos.

    De acordo com Jandira, todas as condições necessárias, como número de assinaturas e fato de investigação determinado, para a abertura da Comissão foram cumpridas, restando apenas a decisão da presidência da Casa de instalá-la. No momento, há apenas duas CPIs em andamento na Câmara, sobre a queda da barragem de Brumadinho, em Minas Gerais, e do BNDES.

    Mais:

    Ato bolsonarista no Rio pede Deltan na PGR e impeachment de presidente do STF
    Após vazamento, procuradora da Lava Jato pede desculpas a Lula
    Lava Jato: vale a pena ver de novo?
    A 'falsa' luta contra a corrupção que levou Bolsonaro à presidência, segundo The Intercept
    Lava Jato: MPF denuncia Lula, irmão e executivos da Odebrecht por corrupção
    Greenwald sobre 'candidatura' de Moro à presidência: se Bolsonaro pôde ganhar qualquer um pode
    Tags:
    Deltan Dallagnol, Sérgio Moro, CPI, Câmara dos Deputados, parlamento, congresso, vazamento, Lava Jato, PCdoB, Jandira Feghali
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar