19:37 16 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Carteira de Trabalho e Previdência Social

    Empate técnico: Brasil está dividido ao meio sobre a Reforma da Previdência, indica Datafolha

    Rafael Neddermeyer / Fotos Públicas
    Brasil
    URL curta
    16 0 0
    Nos siga no

    A população brasileira está dividida quanto ao seu apoio à Reforma da Previdência, que deve ter votações importantes na Câmara dos Deputados até o fim desta semana, conforme mostrou levantamento do Instituto Datafolha nesta terça-feira.

    Segundo o órgão, 47% dos brasileiros são favoráveis às mudanças no sistema de aposentadorias e pensões, ante 44% de contrários ao movimento liderado pelo Legislativo do país em 2019.

    Entretanto, por conta da margem de erro da pesquisa ser de dois pontos percentuais, para mais ou para menos, configura-se um cenário de empate técnico. De acordo com o Datafolha, o nível de confiança do estudo é de 95%.

    Entre os 2.086 entrevistados com mais de 16 anos, de 130 cidades do país, ouvidos entre os dias 4 e 5 de julho, outros 6% não sabem se apoiam ou reprovam a Reforma da Previdência, enquanto 3% se disseram indiferentes ao assunto.

    O resultado divulgado nesta terça-feira é ligeiramente diferente da pesquisa anterior, quanto 51% dos entrevistados se disseram favoráveis à reforma, contra 41% que a rechaçavam. Outros 7% não sabiam e 2% se declararam indiferentes.

    Jair Bolsonaro ao lado de Rodrigo Maia durante encontro da equipe de transição, em 2018
    © Foto / Antonio Cruz / Agência Brasil
    Jair Bolsonaro ao lado de Rodrigo Maia durante encontro da equipe de transição, em 2018

    Apesar da margem de erro, o Datafolha informou que a queda na taxa de rejeição à Reforma da Previdência entre abril e julho ocorreu tanto entre homens quanto mulheres, em todas as faixas etárias, escolaridade e renda familiar.

    O governo do presidente Jair Bolsonaro espera que a matéria vá a plenário na Câmara ainda nesta semana, após um fim de semana de negociações capitaneadas pelo presidente da Casa, deputado federal Rodrigo Maia (DEM-RJ).

    Para garantir mais votos, Bolsonaro resolveu exonerar temporariamente três dos seus ministros – Onyx Lorenzoni (Casa Civil), Marcelo Álvaro Antônio (Turismo) e Tereza Cristina (Agricultura) – para que retornem à Câmara para as votações em dois turnos. Já o ministro Osmar Terra (Cidadania) seguirá no cargo, já que o seu suplente, Darcísio Perondi (MDB-RS), é a favor da reforma.

    Para ser aprovada, a Reforma da Previdência precisa atingir um mínimo de 308 votos de um total de 513 possíveis no plenário da Câmara, em dois turnos. Se avançar, a matéria segue em seguida para o Senado, onde deverá protagonizar os debates no segundo semestre.

    Mais:

    Governo pode liberar R$ 30 bi do FGTS, mas só se aprovar reforma da Previdência
    Reforma da Previdência muda, economia diminui e chance de aprovação aumenta
    Confrontos e repressão marcam atos contra Reforma da Previdência em todo o Brasil (VÍDEO)
    Tags:
    Datafolha, Rodrigo Maia, Jair Bolsonaro, Câmara dos Deputados, política, aposentadoria, pensões, Reforma da Previdência, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar