20:01 16 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    160
    Nos siga no

    Nesta terça-feira (7), afegãos saíram às ruas de Cabul protestando contra interferência do Paquistão nos assuntos internos do Afeganistão e o Talibã (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países) abriu fogo para dispersar a multidão que protestava.

    O Talibã disparou para o ar para dispersar uma multidão de manifestantes que saiu às ruas de Cabul protestando contra a ingerência do Paquistão, de acordo com AFP.

    Uma testemunha disse à Sputnik que os talibãs dispararam contra os manifestantes. Os manifestantes informaram que houve "muitas vítimas" após os disparos dos talibãs.

    Centenas de pessoas participaram no protesto, segundo o canal local TOLO News. Os islamistas detiveram um operador de câmera do TOLO News que cobria os protestos. Os talibãs confiscaram sua câmera. Além disso, o Talibã prendeu várias mulheres que protestavam em Cabul perto do palácio presidencial.

    Os protestos na capital afegã começaram após a visita do chefe dos serviços secretos do Paquistão, Faiz Hameed, a convite do Talibã. Um dos participantes do protesto afirmou à Sputnik que a ação começou ao norte de Cabul e percorreu a cidade até a embaixada paquistanesa.

    Os manifestantes também gritaram slogans a favor das forças de resistência na província de Panjshir.

    Anteriormente, o porta-voz dos islamistas, Zabihullah Mujahid, apelou ao povo afegão para se abster de protestos e manifestações porque o Afeganistão "acabou de sair da crise".

    Mais:

    Porta-voz do Talibã anuncia fim da guerra no Afeganistão e promete divulgar composição do governo
    Ex-agente do FBI: sequestradores do 11/9 tiveram apoio de agentes sauditas dentro dos EUA
    Tropas dos EUA 'voltarão ao Afeganistão', diz senador republicano
    Forças em Panjshir mudam de tática e iniciam guerrilha contra talibãs, diz Frente de Resistência
    Tags:
    Afeganistão, protesto, Paquistão, disparo, Talibã, governo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar