21:58 23 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    4177
    Nos siga no

    As forças de resistência na província de Panjshir mudaram sua tática e estão passando para uma guerra de guerrilha contra os talibãs, disse em entrevista ao Financial Times o representante da Frente de Resistência do Afeganistão, Ali Nazary.

    "Neste momento, o Talibã [organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países] está difundindo muita propaganda de que eles assumiram o controle sobre o vale, o que é errado", disse Nazary.

    "Entrar em Panjshir não significa vencer [...] O que nós mudamos foi nossa tática. Há 48 horas, nós estávamos combatendo mais uma guerra convencional. Agora estamos passando para uma guerra de guerrilha."

    De acordo com suas palavras, os combatentes da Resistência se retiraram para as montanhas, mas eles continuam conduzindo o combate armado com os talibãs a partir de lá.

    Há um mês, os talibãs intensificaram a ofensiva contra as forças governamentais e em 15 de agosto entraram em Cabul. No dia seguinte, eles anunciaram que a guerra terminou e que a forma de governo no país seria determinada em breve. Na noite de 31 de agosto, os militares dos EUA deixaram o aeroporto de Cabul, pondo fim a quase de 20 anos de presença militar americana no Afeganistão.

    Nesta segunda-feira (6), os talibãs anunciaram que a província de Panjshir, último bastião da resistência no país, está agora sob o controle do movimento após confrontos, e pela segunda vez em três semanas anunciaram o fim da guerra. Enquanto isso, as forças de resistência lideradas por Ahmad Massoud refutaram as declarações dos talibãs.

    Mais:

    Talibã toma controle de maior distrito de Panjshir, anuncia porta-voz do movimento; resistência nega
    Talibã diz assumir controle de 2 distritos estrategicamente importantes de Panjshir
    Líder da resistência em Panjshir: se ataques cessarem podemos negociar com Talibã
    Tags:
    Afeganistão, Talibã, crise, guerrilha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar