05:41 30 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0 242
    Nos siga no

    Representante chinês em Hong Kong disse que quem tenta transformar a cidade em um "peão da geopolítica" são os "verdadeiros inimigos" e que Pequim é quem realmente defende o status especial da cidade.

    Luo Huining, diretor do Escritório de Ligação de Hong Kong da China, disse neste sábado (12) em um fórum que o centro financeiro, uma ex-colônia britânica entregue à China em 1997, continua sendo uma das economias mais competitivas do mundo, informou o South China Morning Post.

    "Aqueles que tentam transformar Hong Kong em um peão da geopolítica, uma ferramenta para conter a China, bem como uma ponte para se infiltrar no continente, estão destruindo a fundação de 'um país, dois sistemas'", disse Luo, referindo-se à fórmula acordada quando o Reino Unido devolveu a cidade com o objetivo de preservar suas liberdades e o papel de centro financeiro.

    "Eles são os verdadeiros inimigos da prosperidade e estabilidade de Hong Kong", afirmou, sem identificar qualquer pessoa ou grupo.

    Luo disse que o Partido Comunista no poder é "o criador, líder, implementador e defensor de um país, dois sistemas". Apesar dessas garantias, muitos residentes de Hong Kong nos últimos anos manifestam preocupação com o que consideram uma tentativa de Pequim de restringir sua liberdade. A China nega isso.

    Segundo reportagem da Reuters, o Escritório de Ligação não confirmou nem comentou o conteúdo do discurso.

    O mal-estar entre muitos residentes de Hong Kong aumentou a partir de 2014, quando manifestantes pró-democracia saíram às ruas para exigir o sufrágio universal. As manifestações voltaram a crescer como uma bola de neve em 2019, provocadas pela oposição à reforma judicial, que muitas pessoas viram como uma ameaça ao seu modo de vida.

    Membros da equipe durante hasteamento das bandeiras da China e Hong Kong no Conselho Legislativo em Hong Kong, 30 de março de 2021
    © REUTERS / Lam Yik
    Membros da equipe durante hasteamento das bandeiras da China e Hong Kong no Conselho Legislativo em Hong Kong, 30 de março de 2021

    Pequim impôs também uma ampla lei de segurança nacional na cidade em junho passado, sufocando o movimento pró-democracia e levantando novas preocupações sobre as perspectivas da cidade.

    Os defensores da lei dizem que ela restaurou a ordem e melhorou as perspectivas para a economia da cidade, que Luo declara estar entre as mais competitivas do mundo, apesar dos temores de deterioração.

    Mais:

    China finaliza revisão do sistema eleitoral de Hong Kong, visando colocar autoridades leais
    Governo Biden certifica que Hong Kong não deve obter status especial, seguindo política de Trump
    Hong Kong fecha escritório de representação em Taiwan ante 'interferência grosseira' de Taipé
    Tags:
    geopolítica, política externa, Pequim, Hong Kong, Japão, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar