12:44 31 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0 90
    Nos siga no

    China finaliza revisão geral do sistema eleitoral de Hong Kong, diminuindo a representação democrática, já que as autoridades pretendem garantir que os leais a Pequim governem a cidade.

    Nesta terça-feira (30), a China finalizou a revisão do sistema eleitoral de Hong Kong, sendo a mudança mais significativa da estrutura política desde 1997, segundo informou a agência Xinhua.

    O número de representantes eleitos diretamente cairá de 35 atuais para 20, e a extensão da legislatura aumentará de 70 para 90 lugares. A comissão eleitoral, responsável pela seleção do chefe do Executivo, ampliará de 1,2 mil para 1,5 mil membros.

    A representação de 117 conselheiros distritais de nível comunitário na comissão eleitoral seria descartada e as seis cadeiras de conselheiros distritais no Conselho Legislativo serão eliminadas.

    Os Conselhos Distritais são a única instituição plenamente democrática da cidade, e cerca de 90% dos 452 lugares são controlados pelo lado democrata após as eleições de 2019. Os Conselhos Distritais lidam principalmente com problemas de base, como transporte público e coleta do lixo.

    A reestrutura eleitoral foi aprovada sem oposição pelo Comitê Permanente do Congresso Nacional do Povo, a principal instituição da legislatura chinesa, conforme a Xinhua.

    Um outro novo comitê de fiscalização vai monitorar candidatos a cargos públicos e trabalhará com autoridades de segurança nacional para garantir que os mesmos são leais à China.

    Devido às mudanças no sistema, o número de representantes eleitos diretamente foi reduzido e haverá aumento do número de funcionários aprovados por Pequim em uma legislatura ampliada.

    As medidas definidas são a revisão mais significativa da estrutura política de Hong Kong desde que a região voltou ao governo chinês em 1997, as alterações modificam a dimensão e a composição do Legislativo e do comitê eleitoral a favor de candidatos leais a Pequim.

    Mais:

    EUA e UE devem reativar esforços para enfrentar 'assertividade' da China, diz mídia
    China anuncia sanções recíprocas contra entidades e pessoas dos EUA e Canadá por Xinjiang
    Biden se compromete a impedir que China se torne principal potência mundial
    'Mentiras e desinformação': China sanciona empresas do Reino Unido
    Tags:
    comissão, conselho, governo, sistema eleitoral, China, Hong Kong
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar