20:49 22 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0293
    Nos siga no

    Enquanto as conversações sobre desnuclearização da península coreana se mostram pouco frutíferas, o líder norte-coreano Kim Jong-un fez menções a supostas mudanças na política externa de seu país.

    Durante discurso em congresso do partido governista nesta quinta-feira (7), o líder norte-coreano sinalizou que o país deverá aumentar seu foco em suas relações exteriores, apesar de não especificar com quais países.

    Segundo publicou a Agência Central de Notícias Coreana (KCNA, na sigla em inglês), Kim Jong-un "declarou a orientação geral e o posicionamento político de nosso partido para expandir e desenvolver de forma abrangente as relações exteriores."

    A declaração é feita em um período em que as relações entre as duas Coreias permanecem complicadas.

    Em junho de 2020, a Coreia do Norte destruiu o escritório de relações com a Coreia do Sul, o que teria sido feito após panfletos de propaganda terem sido lançados contra o país socialista por desertores a partir do território sul-coreano.

    A razão da demolição do prédio também foi associada a uma possível decisão vinda direto da irmã do líder, Kim Yo-jong, a qual ganhou notoriedade na política de seu país.

    Enquanto observadores esperavam que Kim Jong-un fizesse alguma referência direta às relações com Washington, tal fato não aconteceu.

    O anúncio de mudanças na política exterior também poderia estar vinculado à eleição de Joe Biden como presidente dos EUA.

    Apesar de aparentemente ter boas relações com o atual presidente norte-americano Donald Trump, a mudança de poder nos EUA poderia influenciar a postura norte-coreana.

    Ainda em 2019, Pyongyang havia chamado Biden de "cão raivoso" e "demente" após este ter declarado que Kim Jong-un era um "ditador".

    Mais:

    Coreia do Norte teria solicitado vacinas contra COVID-19 apesar de negar que o país tenha infectados
    Coreia do Norte pode enfrentar em breve maior crise desde a fome devastadora de 1990, diz analista
    Armas nucleares da Coreia do Norte ficaram mais perigosas com Trump no poder, diz agência
    Tags:
    Coreia do Norte, península coreana, Coreia do Sul, desnuclearização, política externa, relações internacionais
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar