01:46 29 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    157
    Nos siga no

    A Coreia do Sul afirmou que um dos funcionários de seu Ministério dos Oceanos e Pesca foi morto e queimado após ter desaparecido durante o serviço no mar.

    O funcionário de 47 anos teria desaparecido nesta segunda-feira (21) quando estava a bordo de uma embarcação de inspeção marítima da Coreia do Sul.

    "A Coreia do Norte encontrou o homem em suas águas e cometeu um ato de brutalidade ao fuzilá-lo e queimar seu corpo, de acordo com nossa minuciosa análise de inteligência militar", publicou a agência de notícias sul-coreana Yonhap citando declaração do Ministério da Defesa do país.

    Além da denúncia contra Pyongyang, a Defesa sul-coreana exigiu "explicações e punição dos responsáveis" pela morte do funcionário público.

    Ainda segundo colegas do cidadão sul-coreano, no convés da embarcação onde ele servia foram encontrados seus sapatos.

    Acreditando que ele tenha se jogado ao mar, a investigação apontou que o homem sumiu justamente em uma área da embarcação que não estava sob vigilância das câmeras de segurança.

    Possível razão do fuzilamento

    Tentando explicar a possível razão do alegado fuzilamento de seu cidadão, a Defesa sul-coreana levantou a hipótese de o funcionário possivelmente ter tentado desertar em direção ao Norte.

    Contudo, devido à pandemia de COVID-19 ele teria sido fuzilado ainda na água durante a abordagem de uma patrulha norte-coreana.

    "Acreditamos que, pelo visto, a Coreia do Norte cometeu tal ato desumano de fuzilar um homem sem restrições como parte de suas diretrizes de luta contra a COVID-19", acrescentou a Defesa sul-coreana.

    A ser verdade, esta foi a primeira vez desde 2008 que um cidadão sul-coreano foi morto pela Coreia do Norte.

    Em julho do referido ano, a turista sul-coreana Park Wang-ja, de 53 anos, foi fatalmente alvejada por um soldado norte-coreano enquanto caminhava por uma zona restrita em um resort sul-coreano no Monte Kumgang, no território da Coreia do Norte.

    Até o momento do incidente, o local havia sido visitado por mais de um milhão de civis sul-coreanos desde sua abertura em 1998.

    Mais:

    Irã pode ter armas nucleares até fim do ano através de parceria com Coreia do Norte, diz mídia
    EUA alertam indústrias globais contra compras da Coreia do Norte para mísseis balísticos
    Coreia do Norte trabalha para elevar capacidades de seus mísseis, segundo oficial dos EUA
    Tags:
    pandemia, novo coronavírus, COVID-19, fuzilamento, morte, Coreia do Sul, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar