07:42 26 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    2130
    Nos siga no

    Fonte militar afirmou que Exército de Libertação Popular (ELP) da China acredita que os norte-americanos estão usando as escalas em Hong Kong como desculpa para monitorar navios de Pequim.

    Em 2020, nenhum navio de guerra norte-americano visitou Hong Kong, uma situação que provavelmente não se alterará depois que a pandemia do novo coronavírus termine, uma vez que as expectativas são que as relações China-EUA se deteriorarem ainda mais, afirma o jornal South China Morning Post nesta quarta-feira (30).

    Uma fonte militar baseada em Pequim disse à mídia que o ELP não ficou feliz com as visitas da Marinha dos EUA nos últimos anos, alegando que os norte-americanos usaram as escalas nos portos de Hong Kong como desculpa para conduzir operações de navegação e monitorar os movimentos do ELP.

    "É uma das coisas que causaram o fracasso do Acordo Consultivo Marítimo Militar [MMCA, na sigla em inglês] programado devido à grande divergência entre as duas forças", afirmou a fonte ao jornal.

    EUA e China trocaram acusações depois que a conferência planejada ocorrer entre 14 e 16 de dezembro para discutir a segurança aérea e marítima não aconteceu, uma vez que Pequim não compareceu às reuniões virtuais.

    A fonte chinesa também disse à mídia que quando o ELP conduzisse exercícios perto das ilhas Paracel e Spratly, no disputado mar do Sul Mar da China, o exército localizaria pelo menos um navio de guerra dos EUA na área. "É impossível expulsar todos os navios de guerra norte-americanos da região porque o ELP reconhece o direito dos EUA de conduzir operações de liberdade de navegação", comenta a fonte.

    EUA e os portos de Hong Kong

    Lu Li-shih, ex-instrutor da Academia Naval de Taiwan, defende que Pequim não deveria vincular as visitas dos navios norte-americanos aos portos de Hong Kong à liberdade de operações de navegação no mar do Sul da China.

    USS Nimitz (CVN 68) navega ao lado do porta-aviões destacado da Marinha dos EUA USS Ronald Reagan (CVN 76, não está na foto) no mar do Sul da China, 6 de julho de 2020
    © AP Photo / Kimani J. Wint / Marinha dos EUA
    Porta-aviões USS Ronald Reagan e USS Nimitz dos EUA no mar do Sul da China
    "As duas coisas não são relacionadas […]. Mas não é surpreendente que o ELP reclame sobre os marinheiros norte-americanos descansando e relaxando em território chinês [em Hong Kong] para, em seguida, conduzem a liberdade de operações de navegação na região", diz Lu.

    As visitas da Marinha dos EUA à cidade datam dos primeiros anos da colônia britânica, e os navios de guerra eram visitantes regulares nos anos que antecederam a transferência para o domínio chinês em 1997. Desde então o número de escalas diminuiu.

    Em todo o ano de 2019, apenas o USS Blue Ridge visitou Hong Kong. EUA afirmam que pelo menos seis pedidos de escala em portos na cidade foram recusados ​​naquele ano. Em julho do ano passado, o Ministério das Relações Exteriores da China disse que Pequim suspendeu todas as análises dos pedidos militares dos EUA para enviar navios e aeronaves para visitar Hong Kong em resposta à assinatura do presidente dos EUA, Donald Trump, da Lei de Direitos Humanos e Democracia em Hong Kong, que exige sanções às autoridades chinesas e de Hong Kong se Washington determinar que os direitos humanos não estão sendo respeitados pela cidade.

    Drew Thompson, ex-funcionário do Pentágono e responsável por administrar as relações com a China, disse que a suspensão das escalas é resultado de considerações políticas e não é consistente com a prática internacional.

    "As escalas nos portos de Hong Kong, historicamente, não faziam parte da relação militar [EUA-China]. Não foram negociadas com Pequim, mas entre a Marinha dos EUA e as autoridades de Hong Kong diretamente", argumenta Thompson.

    Os militares dos EUA realizaram atividades regulares de treinamento conjunto com a força policial de Hong Kong antes e depois da transferência de poder do Reino Unido para China. No entanto, a cidade parou de enviar oficiais para participar de cursos ministrados pelas academias internacionais de aplicação de lei em setembro do ano passado.

    Manifestante segura bandeira americana durante protesto pró-democracia em um shopping em Hong Kong, 21 de julho de 2020
    © AP Photo / Kin Cheung
    Manifestante segura bandeira americana durante protesto pró-democracia em um shopping em Hong Kong, 21 de julho de 2020

    A relação entre os militares de China e EUA se deteriorou ainda mais este ano, à medida que ambos os lados intensificaram seus exercícios na região.

    Este ano, o governo de Hong Kong também decidiu rescindir o contrato do porto Fenwick Pier Fleet Arcade, que atendeu gerações de marinheiros dos EUA, e solicitou à Associação de Guias de Militares (SGA, na sigla em inglês), responsável pelo porto, que deixe a cidade em até dois anos, outro sinal de que as escalas dos EUA em Hong Kong se tornarão uma coisa do passado.

    Mais:

    China rotula EUA de 'império de hackear' após ser acusada de querer 'espionar' no Pacífico
    Nova era? China pode substituir EUA como maior economia mundial, segundo relatório
    Pesquisadores da China acham 'falhas' em equação de explosão nuclear dos EUA usada para bunkers
    Biden diz que EUA precisam de coalizão para enfrentar China
    Tags:
    China, EUA, Hong Kong, porto, navio, embarcação
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar