17:24 20 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0 31
    Nos siga no

    A inclusão do Paquistão na lista negra dos EUA de "países de particular preocupação" por violações da liberdade religiosa provocou ira em Islamabad, onde a medida foi condenada como arbitrária, desapegada da realidade, tendenciosa e injusta.

    A designação do Paquistão pelo Departamento de Estado dos EUA foi "unilateral e arbitrária", afirmou o Ministério de Relações Exteriores do Paquistão em comunicado nesta terça-feira.

    "Este pronunciamento não se destaca apenas das realidades do Paquistão, mas também levanta questões sobre a credibilidade e a transparência de todo o exercício", destacou a pasta.

    A designação reflete o direcionamento seletivo dos países e, portanto, dificilmente será útil para a causa declarada do avanço da liberdade religiosa.

    O Paquistão foi colocado pela primeira vez na lista em 2018, acusado de se envolver ou tolerar "violações sistemáticas, contínuas e flagrantes da liberdade religiosa". A Comissão dos EUA para a Liberdade Religiosa Internacional (USCIRF), um órgão financiado pelo governo que opera separadamente do Departamento de Estado, disse que ficou "particularmente satisfeita" com a designação.

    Washington referenciou especificamente o caso de Asia Bibi, uma católica presa em 2009 sob as leis de blasfêmia do Paquistão e condenada à morte. Ela foi libertada em 2018 depois que a Suprema Corte anulou sua condenação.

    Milhares de paquistaneses querem que mulher cristã seja executada
    © AP Photo / K.M. Chaudary
    Milhares de paquistaneses querem que mulher cristã seja executada

    Apesar da libertação de Bibi, Washington não removeu a designação de Islamabad na atualização de 2019 da lista. Paquistão encontrou-se, assim, na mesma situação que China, Irã, Coreia do Norte, Sudão e Mianmar, além de "entidades" como Frente al-Nusra, Al-Qaeda, Daesh (organizações terroristas proibidas na Rússia), Al-Shabaab e Boko Haram.

    No entanto, o Paquistão conseguiu evitar as sanções previstas sob a designação, que foram dispensadas por motivos de "interesse nacional" - como também foi o caso da Arábia Saudita, Tajiquistão e Turcomenistão.

    Os EUA mantiveram uma lista negra de liberdade religiosa sob uma lei de 1988, aprovada no auge do "intervencionismo humanitário" pelo governo Clinton. A lei também estabeleceu a criação da USCIRF, que recentemente provocou a ira da Índia ao criticar as novas regras de cidadania de Nova Deli.

    Embora se oponham a quase todas as questões desde a partição de 1947, o Paquistão e a Índia concordam que os EUA se intrometem em seus assuntos sob o pretexto de se preocupar com a "liberdade religiosa", por isso não são bem-vindos e merecem condenação.

    Mais:

    Paquistão lança míssil de longo alcance durante manobras (VÍDEO)
    EUA afirmam que Paquistão será prejudicado por parceria com Pequim
    Crise de refugiados na Caxemira pode causar guerra nuclear entre Índia e Paquistão, diz Khan
    Tags:
    diplomacia, Frente al-Nusra, Al-Qaeda, Daesh, terrorismo, mundo muçulmano, muçulmanos, intolerância religiosa, religião, Estados Unidos, Paquistão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar