11:02 13 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    O clérigo radical Khadim Hussain Rizvi reza durante seu discurso a seguidores em Lahore, Paquistão. Cerca de mil seguidores reuniram-se em Lahore em protesto contra uma determinação judicial que tornou o clérigo em fugitivo devido a protestos violentos de 2017 em Islamabad, nos quais cinco pessoas foram mortas.

    Paquistão prende líder do partido islâmico

    © AP Photo / K.M. Chaudary
    Ásia e Oceania
    URL curta
    220

    O Partido Islâmico, que tem balançado a vida cotidiana do Paquistão com manifestações em todo o país contra a absolvição de uma mulher cristã em um caso de blasfêmia, afirmou seu líder foi preso pela polícia nesta sexta-feira (23).

    Em um comunicado, o partido Tehreek-e-Labbaik disse que seu líder, o clérigo radical Khadim Hussain Rizvi, foi preso hoje na cidade de Lahore. O comunicado ainda informa que dezenas de seus partidários também foram presos, segundo a agência AP. Os motivos das prisões ainda não foram divulgados.

    As detenções ocorreram semanas após os partidários de Rizvi terem realizado manifestações violentas contra a absolvição de Asia Bibi, em 31 de outubro, pela Suprema Corte do Paquistão.

    Bibi havia sido condenada à morte e aguardava a execução da pena desde 2010 sob a acusação de insultar o profeta Maomé do Islã.

    Isso irritou Rizvi e seus seguidores, que protestaram pelo país por três dias.

    As manifestações foram encerradas depois que as autoridades disseram que Bibi não deixaria o Paquistão até que o pedido contra sua absolvição fosse revisado.

    Mais:

    Explosão no noroeste do Paquistão provoca ao menos 25 mortos e dezenas de feridos, diz TV
    Homens armados atacam consulado chinês no Paquistão; há 2 mortos (VÍDEOS)
    Explosão em mesquita no Paquistão deixa ao menos 9 pessoas feridas
    EUA suspendem ajuda de 1,6 bilhão de dólares em segurança ao Paquistão
    Tags:
    islamismo, prisão, Tehreek-e-Labbaik, Asia Bibi, Khadim Hussain Rizvi, Lahore, Paquistão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik